Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

13
Out19

Um Sorriso

A viração do oceano acariciava o rosto

Como incorpóreas mãos. Fosse mágoa ou saudade,

Tu olhavas, sem ver, os vales e a cidade.

(...)

Ao fundo o mar batia a crista dos escolhos...

Depois o céu... e mar e céus azuis: dir-se-ia

Prolongarem a cor ingénua de teus olhos...

 

A paisagem ficou espiritualizada.

Tinha adquirido uma alma. E uma nova poesia

Desceu do céu, subiu do mar, cantou na estrada...

 

Excerto do poema Um Sorriso

in A Cinza das Horas

Antologia - Manuel Bandeira

13
Out19

Manuel Bandeira sentado num sofá com Cecília Meireles

bandeira.png

Já aqui tinha comentado que Manuel Bandeira me chegou pela voz de três mulheres - Clarice, Sophia e Cecília - mas ainda não revelei de que forma cada uma delas o anunciou.

A primeira vez que vi Manuel Bandeira foi numa fotografia de 1962 em que estava sentado num sofá juntamente com Drummond, Vinicius de Moraes e Cecília.

Não sabia quem era aquela figura castiça de óculos encavalitados no nariz, de olhar curioso, como quem pergunta.

23316776_1579261492153316_10671260346462992_n.jpg@ cultura.estadao.com.br

Desconheço a profundidade da amizade que unia Cecília Meireles ao poeta, mas imagino que não tenham sido amigos íntimos, apesar da poetisa frequentar o mesmo círculo intelectual que orbitava em torno de Manuel Bandeira e manterem amigos em comum, como Mário de Andrade.

Manuel Bandeira afirmou numa entrevista que Cecília Meireles era a representação da poesia pura:

Eu acho que a Cecília Meireles é a maior poeta brasileira da primeira metade do século, porque para nós outros, para disfarçar um pudor de sentimentalismo, a gente se refugia no humor, e ela nunca. Ela sempre foi poeta puro.

 

A admira√ß√£o era m√ļtua e escreveram poemas que dedicaram um ao outro.

Manuel Bandeira dedicou a Cecília um dos seus improvisos que se viria a tornar num dos poemas que melhor retrata o lirismo da poetisa:

Improviso

Cecília, és libérrima e exata
Como a concha.
Mas a concha é excessiva matéria,
E a matéria mata.
Cecília, és tão forte e tão frágil
Como a onda ao termo da luta.
Mas a onda é água que afoga:
Tu, não, és enxuta.
Cecília, és, como o ar,
Di√°fana, di√°fana.
Mas o ar tem limites:
Tu, quem te pode limitar?
Definição:
Concha, mas de orelha;
√Āgua, mas de l√°grima;
Ar, com sentimento.
‚ÄĒ Brisa, vira√ß√£o
Da asa de uma abelha.

 

Com um improviso destes, quem n√£o gostaria de conhecer Manuel Bandeira?

12
Out19

Que esperam os pais da escola?

Que esperam os pais da escola? Algum descanso? Uma partilha de responsabilidades? Diplomas?

S√£o os adultos que decidem.

A crian√ßa est√° entre as suas decis√Ķes, geralmente sem for√ßas para se defender, mas sentindo-se amea√ßada.

 

in Rabindranath, Pequeno Estudante

O que se diz e o que se entende - Cecília Meireles

Desafio dos P√°ssaros

A Miss X aceitou o desafio de escrita dos p√°ssaros. Espreitem o ninho.

Aviso à navegação

A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O que leio, capa a capa

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D