Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

28
Ago16

Vladímir Maiakovski| Saiu com estrondo do mundo

Cento e cinquenta mil pessoas passaram à frente do seu caixão nos 3 dias em que ele ficou exposto.

A União Soviética chorava a morte precoce de um dos seus maiores poetas. A sua vida e obra per­ma­necem um emblema deste que foi um dos mais impor­tan­tes acon­te­ci­men­tos his­tó­ri­cos do século 20: a Revolução Russa.

Maiakovski, que sem­pre teve uma ban­deira de luta has­te­ada no seu cora­ção incen­di­ado, saiu com estrondo do mundo para entrar, tam­bém estron­do­sa­mente, na História.

Como um dos mais autênticos e vigorosos poetas da Revolução.

In acasadevidro.com

28
Ago16

Vlad√≠mir Maiakovski| As √ļltimas palavras

A todos
De minha morte não acusem ninguém, por favor, não criem mexericos. O defunto odiava isso.
Mãe, irmãs e companheiros, desculpem-me, este não é o melhor método (não recomendo a ninguém), mas não tenho saída.
Lília, ame-me.
Ao governo: a minha família são Lília Brik, a minha mãe, as minhas irmãs e Verónica Vitoldovna Polonskaia.
Caso torne a vida delas suport√°vel, obrigado.
Os poemas inacabados entreguem aos Brik, eles saber√£o o que fazer.
Como dizem:
caso encerrado,
O barco do amor
espatifou-se na rotina.
Acertei as contas com a vida
in√ļtil a lista
de dores,
desgraças
e m√°goas m√ļtuas.¬ī
Felicidade para quem fica.
Bilhete escrito por¬†Vlad√≠mir Maiak√≥vski¬†antes de p√īr termo √† vida no dia 14 de abril de 1930
In acervo.revistabula.com
28
Ago16

Vladímir Maiakovski| Estaline trans­for­mou-o no po­e­ta da re­vo­lu­ção

Pro­va­vel­men­te, ao sen­tir que a Re­vo­lu­ção não era o pa­ra­í­so li­ber­tá­rio que ima­gi­na­ra e que era in­fe­liz no amor, roí­do pe­la de­pres­são, Mai­akovski op­tou por ma­tar-se.

Ti­nha uma cer­ta con­sci­ên­cia de que o fu­tu­ro o aguar­da­va... pa­ra en­ten­dê-lo.

Mas, de­pois da sua mor­te, quan­do já não in­co­mo­da­va, Estaline trans­for­mou-o no po­e­ta da re­vo­lu­ção e, nu­ma car­ta a Ie­jov, es­cre­veu:

Pe­ço que dê aten­ção à car­ta de Lí­lia Brik. Mai­akovski foi e con­ti­nua a ser o me­lhor e mais ta­len­to­so po­e­ta da épo­ca so­vi­é­ti­ca. A in­di­fe­ren­ça para com a sua obra é um cri­me.

 In acervo.revistabula.com

28
Ago16

Vladímir Maiakovski| O se­gre­do per­ma­ne­ce em segredo

Porque é que Mai­akovski se ma­tou, com um ti­ro no pei­to, se antes tinha con­de­na­do o su­i­cí­dio do poeta Sier­guéi Ies­siê­nin, em 1925?

Mikhai­lov es­cre­ve, com per­ti­nên­cia:

A pes­soa que dei­xa vo­lun­ta­ria­men­te a vi­da le­va con­si­go o mis­té­rio da sua de­ci­são. Ne­nhu­ma ex­pli­ca­ção (in­clu­si­vé as de Mai­akovski) pe­ne­tra na es­sên­cia re­al da ati­tu­de to­ma­da. Elas apenas en­tre­a­brem a cor­ti­na so­bre o se­gre­do, mas o pró­prio se­gre­do per­ma­ne­ce es­con­di­do atrás do fi­nal tris­te da vi­da. (...) En­con­tra­mos os mo­ti­vos, mas o se­gre­do per­ma­ne­ce em segredo.

In acervo.revistabula.com

28
Ago16

Vladímir Maiakovski| Uma cruel encruzilhada

Nos seus √ļltimos anos de vida, Maiakovski parece ter chegado a uma cruel encruzilhada ‚Äď ele que sempre as enfrentou de peito aberto e com palavras em punho.

Este poeta de cora­ção ardente e impa­ci­ente não pode­ria durar muito:

‚ÄúN√£o tenho nenhum fio gri¬≠sa¬≠lho na minha alma!‚ÄĚ, escre¬≠veu.

Quando deu um tiro no peito, em 1930, p√īs um san¬≠grento ponto final num des¬≠tino tr√°¬≠gico e fas¬≠ci¬≠nante.

In acervo.revistabula.com

28
Ago16

Vladímir Maiakovski| Trazer a poesia para a rua

Os poemas de Maiakovski destinavam-se a ser declamados.

Para a R√ļssia, onde a poesia se mantinha ainda na torre de marfim dos simbolistas, Maiakovski teve o grande m√©rito de trazer a poesia para a rua, criando um dialecto po√©tico com a linguagem coloquial, as tradi√ß√Ķes populares e a fraseologia pol√≠tica.

O tema básico da poesia de Maiakovski é o Homem e o Mundo.

In Notas Biográficas de Poetas Russos, antologia de Manuel Seabra

28
Ago16

Vlad√≠mir Maiakovski| Ver√≥nica Polonskaia, a √ļltima paix√£o

Mai¬≠akovski nu¬≠triu uma grande pai¬≠x√£o por du¬≠as mu¬≠lhe¬≠res ca¬≠sa¬≠das ‚ÄĒ L√≠¬≠lia Brik e, nos √ļl¬≠ti¬≠mos anos, Ve¬≠r√≥¬≠ni¬≠ca Vi¬≠tol¬≠dov¬≠na Po¬≠lonskaia, No¬≠ra.

Quis ca­sar-se com No­ra, che­gou a pro­cu­rar um apar­ta­men­to, mas a sua de­pres­são e a sua vi­o­lên­cia as­sus­ta­do­ra, num gi­gan­te co­mo ele, in­co­mo­da­vam a atriz, que o ama­va.

In acervo.revistabula.com

Veronika_Polonskaya.jpgVe­ró­ni­ca Vi­tol­dov­na Po­lonskaia

Imagem ru.wikipedia.org 

28
Ago16

Vladímir Maiakovski| Lília Brik, o amor da sua vida

As pai¬≠x√Ķes que Maiakovski viveu, quase todas n√£o cor¬≠res¬≠pon¬≠di¬≠das, pare¬≠cem nunca ter con¬≠se¬≠guido saciar o seu cora¬≠√ß√£o faminto.

Numa carta a Lília Brik, o amor da sua vida, escre­veu:

O amor é vida.

O amor é o cora­ção de tudo.

Se ele inter­rom­per o seu tra­ba­lho, tudo o resto morre, faz-se exces­sivo, des­ne­ces­sá­rio. (…)

Sem ti n√£o h√° vida.

In acasadevidro.com

lilia.jpgImagem en.wikipedia.org

28
Ago16

Vladímir Maiakovski| Uma con­tra­di­ção cruel entre a uto­pia e a decep­ção

Den­tro da alma de Maiakovski desenhou-se uma con­tra­di­ção cruel entre a uto­pia e a decep­ção.

De um lado, uma vida inteira dedi­cada à Revolução, à gló­ria de Lenine e à cons­tru­ção do soci­a­lismo.

Do outro, o aparecimento do espec­tro do esta­li­nismo, que tra­zia a dita­dura, a buro­cra­cia e o eclipse do sonho.

Dividido entre os ver­sos de lou­vor às con­quis­tas revo­lu­ci­o­ná­rias e as sáti­ras ácidas con­tra as ano­ma­lias do novo poder, Maiakovski viu-se ras­gado entre o entu­si­asmo da entrega total a uma uto­pia e a tra­gé­dia da perda do ideal.

In acasadevidro.com

28
Ago16

Vladímir Maiakovski| Eu amo-vos, mas vivos

Apesar das ideias des­tru­ti­vas relativamente à herança cul­tu­ral, Maiakovski era um grande conhe­ce­dor da lite­ra­tura clás­sica.

‚ÄúEle ouvia a voz viva dos cl√°s¬≠si¬≠cos, mas negava as impo¬≠si¬≠√ß√Ķes dos seus c√Ęno¬≠nes para a arte do seu tempo‚ÄĚ, sugere Mikhailov.

Ou, como o pr√≥¬≠prio Maia dizia: ‚ÄúEu amo-vos, mas vivos, n√£o como m√ļmias.‚ÄĚ

In acasadevidro.com

28
Ago16

Vladímir Maiakovski| A cul­tura russa em ebulição

Liderando a van­guarda futu­rista, Maiakovski e os seus com­pa­nhei­ros colo­ca­ram em ebu­li­ção a cul­tura russa.

O esc√Ęn¬≠dalo foi enorme.

Foram acu­sa­dos de terem uma rela­ção nii­lista com a cul­tura clás­sica, de não pos­suí­rem uma base teó­rica sólida ou de serem meros arru­a­cei­ros.

O mani¬≠festo futu¬≠rista era mesmo extre¬≠mista e man¬≠dava ‚Äúati¬≠rar fora Pushkin, Dostoi√©vski e Tolstoi do Navio da Modernidade!‚ÄĚ

Burliuk, um dos l√≠de¬≠res do movi¬≠mento jus¬≠ti¬≠fi¬≠cava-se, dizendo: ‚ÄúN√£o dese¬≠ja¬≠mos virar para tr√°s as nos¬≠sas cabe¬≠√ßas, que¬≠brar as nos¬≠sas v√©r¬≠te¬≠bras cer¬≠vi¬≠cais para olhar para a poe¬≠sia com a naf¬≠ta¬≠lina dos perversos!‚ÄĚ

In acasadevidro.com

Maiakovski.gifImagem clubedeleituraicarai.blogspot.com

Quanto mais leio menos sei
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos P√°ssaros est√° aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
Notícias literárias ou assim-assim em Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Estante

no fundo da estante