Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

28
Jan18

Aleksandr Pushkin| Quem era Natalia Goncharova?

Resultado de imagem para natalia goncharova pushkinImagem pt.nextews.com

Natalia Goncharova vivia com os seus pais numa enorme propriedade familiar, com um jardim histórico que continha treze lagos. Apesar da beleza e da imponência do local, no seu interior o seu pai, Nikolai Afanasevich, era um alcoólico inveterado, apesar da versão oficial indicar que bateu com a cabeça após a queda de um cavalo, ficando com "fadiga mental" crónica, e a sua mãe , uma mulher nervosa e constantemente irritada com tudo e todos.

A primeira vez que apareceu em sociedade, Natalia era muito reservada e tímida, tanto, que todos pensavam que ela nada tinha a dizer e que se mantinha em silêncio por esse motivo. Aliás, Natalia era não só inteligente, como também tinha uma educação perfeita. Sabia falar francês, alemão e inglês, tinha conhecimentos de história e geografia, e sabia jogar xadrez admiravelmente, para além da beleza excepcional que deslumbrava onde quer que estivesse.

Graças ao amigo de Pushkin, Fyodor Tolstoy, o poeta tornou-se num convidado frequente da casa dos Goncharov, no entanto o relacionamento com a futura sogra revelou-se difícil desde o início. Conhecida, não só pela sua personalidade irascível, mas também pela sua religiosidade fanática, nunca aprovou a dissidência de Pushkin.

Quando o poeta pediu a m√£o de Natalia, a m√£e recusou, dizendo que ela era demasiado jovem para se casar.

Pushkin caiu em depress√£o e decidiu partir para a guerra do C√°ucaso.

Tradução livre do inglês beautiful.rus
27
Jan18

Nos cabelos, leva a lua e na sua face, brilha uma estrela

Dizem que do outro lado do mar existe uma princesa de uma beleza tal que todo o que a v√™ n√£o pode apartar dela o olhar. Deslumbra o dia e ilumina tudo √† noite. Nos cabelos, leva a lua e na sua face, brilha uma estrela.Tem um andar de pav√£o real e a sua voz √© mais doce do que o murm√ļrio de um regato.

 

O Czar Saltan, o valoroso herói Gvidon Saltanovich e a formosa Princesa Cisne - Aleksandr Pushkin

18
Jan18

Tenho andado assim, como nos livros

coffee.jpgGosto de ler livros sobre aquilo que mais quero e aquilo que menos experimento.

Viagens a lugares, pessoas, emo√ß√Ķes, acontecimentos.

Integrar-me e desintegrar-me noutros mundos que não o meu, em constante fuga e reencontro, perdendo-me ou achando-me conforme as marés e as ventanias.

Tenho andado assim, como nos livros, adormecida, deitada nestas páginas a olhar para as palavras que brilham no céu, a contá-las e a guardá-las como estrelas dentro dos bolsos.

Sinto-me segura no embalo do sonho, sem que os meus pés toquem na realidade cinzenta que se tarda a colorir.

16
Jan18

Aleksandr Pushkin| Expressando a consciência nacional tão completamente que transcende as próprias barreiras nacionais

pushkin2.pngImagem www.cartoonstock.com

 

O trabalho de Pushkin - com a sua nobreza de concep√ß√£o e a sua √™nfase na responsabilidade c√≠vica (evidenciada no seu comando ao poeta-profeta para "disparar os cora√ß√Ķes dos homens com as suas palavras"), o vigor com que afirma a vida, a sua confian√ßa no triunfo da raz√£o sobre o preconceito, da caridade humana sobre a escravid√£o e a opress√£o -¬†ecoou por¬†todo o mundo.

Traduzido quase em todas as línguas, as suas obras são criadas, expressando a consciência nacional tão completamente, que transcende as próprias barreiras nacionais.

Tradução livre do inglês de www.britannica.com

16
Jan18

Ler os livros da nossa vida

coffee.jpgCom tantos livros lidos e outros tantos por ler, n√£o me perco por entre estas centenas (n√£o ser√£o j√° milhares?) de p√°ginas onde descanso a palma da m√£o, enquanto a minha mente as percorre avidamente.

Sirvo-me de ciclos de leitura pessoais, quais estrelas da manh√£, que me guiam por aqueles livros que nem sempre quero ler, mas que preciso de ler.

Há um momento na leitura, em que chegamos a esta encruzilhada de parágrafos, que nos pede para escolher ler os livros que todos devem ler antes de morrer, ou dizendo-o à guisa de eufemismo, ler os livros da nossa vida e da vida do mundo.

P√°g. 1/5

2019 foi o ano que escolhi para ler Sophia de Mello Breyner
Visitem o mundo encantado de Sophia
Em 2021 irei ler Jorge de Sena
Preparem-se para dar a volta ao vosso mundo
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos P√°ssaros est√° aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
A imprensa comentada no final de cada mês na Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O que leio, capa a capa

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Estante

no fundo da estante