Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

29
Nov19

Desafio de escrita dos p√°ssaros #12

Pássaros que não se calam para crianças tagarelas

Có, có, ró, có.

Tenho asas e n√£o voo

Canto cedo e n√£o me calo

Sou galinha, ponho ovo

E namoro com o galo

 

Glu gluuu gluuu!

A galinha n√£o se cala

Chamou-me canguru

Mas prefiro ser um coala

- gorgoleja o peru

 

Crrác crrác! 

Sou p√°ssaro falador

Falo tanto que até desmaio

Tenho penas cheias de cor

OL√Ā, sou o papagaio

 

Cu√°, cu√°, cu√°!

Sou p√°ssaro m√°gico e profeta

Negro como a noite o meu corpo 

Voando no verso de um poeta 

Na rima serei sempre o corvo

 

Grou, grou! gru, ru, gru ru! ru lu!

De asa branca ou correio

Estou sempre a namoriscar

Ou à procura de migalhas

Sou pombo no arrulhar

 

Piu-piu piopio, pipio!

P√°ssaro sou e serei

De chilreio, assobio e canto

Para sempre cantarei

Mas males n√£o espanto

28
Nov19

O vestido, em vez de celebr√°-la, matava-a

con1.png

- Quem é aquela rapariga com um horrível vestido lilás?

-Sophia de Mello Breyner Andresen-

 

Dos três objectos que marcam simbolicamente este conto de Sophia - o vestido tem sido o mais incompreendido.

O vestido é a persona da Gata Borralheira, a ponte entre o seu mundo interior e o mundo que a observa, uma espécie de máscara projectada para fazer uma impressão definitiva sobre os outros e para dissimular a sua verdadeira natureza.

No caso de L√ļcia, a madrinha emprestou-lhe um vestido que era feio, antiquado e lil√°s. O vestido, em vez de celebr√°-la, matava-a e a cor lil√°s, um paramento f√ļnebre que a envolvia, simbolizando a sua condi√ß√£o j√° morta num mundo onde ela jamais seria aceite. E foi o vestido que provocou a sua derradeira decis√£o:

Tenho de escolher outro caminho. Um dia hei-de voltar aqui com um vestido maravilhoso e com sapatos bordados de brilhantes.

28
Nov19

O poder que desejava

Aquele baile, aquela gente que a ignorara e humilhara era o mundo que ela decidira escolher. Aqueles eram os vestidos, os sapatos, as jóias que ela queria possuir. Aquele o poder que desejava.

 

História da Gata Borralheira - Sophia de Mello Breyner Andresen

in Histórias da Terra e do Mar

27
Nov19

Trocar tudo isso

Mas algo nela hesitava: deixar a sua casa, aqueles que a amavam, deixar a doce liberdade familiar - entre a aérea distracção do pai, os irmãos descendo como bólides pelo corrimão, o desleixo das criadas velhas, os quartos onde o papel se descolava da parede, a sala onde a seda dos cortinados se esgarçava e trocar tudo isso, que era quente, vivo e livre, pela minuciosa tirania da tia rica e pelos seus discursos de prudência e cálculo, era difícil.

Mas ela n√£o queria renunciar ao outro caminho.

 

História da Gata Borralheira - Sophia de Mello Breyner Andresen

in Histórias da Terra e do Mar

27
Nov19

Manuel Bandeira era o maior espanto da minha avó

bandeira.png

Das três mulheres que me deram a conhecer Manuel Bandeira através das suas páginas, já tinha revelado duas delas: Cecília Meireles e Clarice Lispector. 

Chegou o momento de revelar como Sophia me desvendou Manuel Bandeira. 

Sophia amava tanto a poesia que sempre leu outras poetisas e poetas.

Chegou a escrever um ensaio sobre Cecília Meireles - A poesia de Cecília Meireles - onde revela que "falar de um poeta é como querer apanhar água com as mãos. Prendemos só as nossas próprias palavras, enquanto o poeta nos foge. Só em poesia se pode falar de poesia".

E foi assim que Sophia me contou sobre Manuel Bandeira e como era imperativo lê-lo, através de um poema:

 

Este poeta est√°
Do outro lado do mar
Mas reconheço a sua voz há muitos anos
E digo ao silêncio os seus versos devagar

(...)

Manuel Bandeira era o maior espanto da minha avó
Quando em manh√£s intactas e perdidas
No quarto j√° ent√£o pleno de futura
Saudade
Eu lia

(...)

Estes poemas caminharam comigo e com a brisa
Nos passeados campos de minha juventude
Estes poemas poisaram a sua m√£o sobre o meu ombro
E foram parte do tempo respirado.

26
Nov19

Velha Ch√°cara

A casa era por aqui...

Onde? Procuro-a e n√£o acho.

Ouço uma voz que esqueci:

√Č a voz deste mesmo riacho.

 

Ah quanto tempo passou!

(Foram mais de cinquenta anos)

Tantos que a morte levou!

(E a vida... nos desenganos...)

 

A usura fez t√°bua rasa

Da velha ch√°cara triste:

N√£o existe mais a casa...

 

- Mas o menino ainda existe.

 

in Lira dos Cinquent'anos

Antologia - Manuel Bandeira

P√°g. 1/8

2019 foi o ano que escolhi para ler Sophia de Mello Breyner
Visitem o mundo encantado de Sophia
Em 2021 irei ler Jorge de Sena
Preparem-se para dar a volta ao vosso mundo
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos P√°ssaros est√° aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
A imprensa comentada no final de cada mês na Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O que leio, capa a capa

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Estante

no fundo da estante