Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

29
Dez19

A morte da privacidade

bookini_inverno.pngArgumentar que não queres saber do direito à privacidade, porque não tens nada a esconder não é muito diferente de declarar que não queres saber da liberdade de expressão, porque não tens nada a dizer.

~Edward Snowden~

 

Nesta √ļltima d√©cada temos assistido √† morte da privacidade que continua a ser encarada como algo de inofensivo e um n√£o-assunto.

Todos alegam que nada têm a esconder, mas isso não é um argumento válido para a perda da privacidade. A privacidade é um direito, a base da liberdade de expressão, essencial para uma sociedade livre e democrática e a sua perda leva à perda dessa mesma liberdade e democracia.

A nossa liberdade de express√£o fica imediatamente amea√ßada n√£o s√≥ com a vigil√Ęncia em massa da utiliza√ß√£o da internet, mas tamb√©m quando, sabendo que estamos a ser vigiados, nos auto-censuramos no modo como comunicamos, como escrevemos, o que mostramos, as ideias que transmitimos, aprisionando a nossa perspectiva cr√≠tica.

Bits de informa√ß√£o que achamos ser inofensiva vai sendo reunida num perfil, registando quem contactamos e quando, aonde vamos e o que fazemos na internet. Todas as nossas interac√ß√Ķes com o mundo que nos rodeia revelam as nossas cren√ßas pol√≠ticas e religiosas, os nossos desejos, as nossas convic√ß√Ķes e afinidades e o registo de tudo isso conseguir√° n√£o s√≥ conhecer-nos profundamente, mas tamb√©m prever o nosso comportamento.

Esta percep√ß√£o faz-nos pensar duas vezes antes de participarmos em protestos, reivindica√ß√Ķes, activismo, exactamente aqueles que nos permitiram alcan√ßar a liberdade de express√£o, a democracia e os direitos humanos.

As nossas "vidas digitais" acabam por ser um reflexo das nossas vidas reais, sejam através das redes sociais, registos telefónicos e de GPS ou registos da nossa navegação na internet.

Mesmo que confiemos nas boas inten√ß√Ķes de quem possui os nossos dados, nada nem ningu√©m nos garante que nunca poder√£o vir a ser utilizados contra n√≥s. Quanto maior a nossa pegada digital, maior o potencial de nos ser roubada a liberdade.¬†

A privacidade e a liberdade est√£o a ser-nos roubadas a pouco e pouco, debaixo dos nossos olhos.

Chegar√° o dia em que em vez de dizermos que nada temos a esconder, n√£o teremos como nos esconder.

29
Dez19

Um grande défice de notícias cor-de-rosa escandalosamente picantes

bookinices rosas.png

Estamos com um grande défice de notícias cor-de-rosa escandalosamente picantes. Tudo o que tenho lido tem sido entediante. Não sei se o escandaloso se tornou rotina estatística ou se sou eu que estou mais exigente nos níveis de desavergonhice.

O Correio da Manhã já não me proporciona ais de espanto como antigamente. Ou está a perder as suas capacidades mágicas de entretenimento e de provocação ou está a perder a sua criatividade para o António Costa que, esse sim, tem sido uma revelação inusitada de talento para entreter o povo português

Entretanto, n√£o sei o que se passa com as revistas cor-de-rosa, completamente adormecidas no seu soninho de papel couch√©, limitando-se a fazer copy/paste das publica√ß√Ķes dos famosos nas redes sociais. J√° nem se levantam da cadeira para perseguir ningu√©m a alta velocidade (que os combust√≠veis est√£o caros), nem para fotografar os famosos em poses menos pr√≥prias ou desnudos¬†(porque eles pr√≥prios j√° o fazem), nem se atrevem a revelar aqueles rumores picantes (que isto da privacidade¬† e dos processos judiciais s√£o uma chatice e muito maus para o neg√≥cio).

Mas nem tudo est√° perdido.

As páginas de papel - macio, brilhante, suave - têm sido um deleite para a minha gaveta das meias.

28
Dez19

Por mais palhinhas que evitemos usar, não faremos a diferença

bookinices.pngOs países mais poluentes do mundo são os principais responsáveis pelo estado a que o planeta chegou.

Aproximadamente apenas cem empresas em todo o mundo s√£o respons√°veis por mais de 70% das emiss√Ķes de gases desde 1988. Os seus respons√°veis enriqueceram de forma abismal √† custa de toda a vida no planeta Terra e¬†deviam ser estas as pessoas que deveriam ser responsabilizadas pelo aquecimento global e por continuarem a alimentar as suas fortunas e as suas empresas com modelos de neg√≥cios extractivos e penalizadores para o ambiente, sem usarem o seu poder para provocar qualquer mudan√ßa.

Todos eles juntos detêm o controlo da maioria dos direitos mundiais de mineração, o direito de explorar e extrair petróleo, gás, carvão. 

O desafio é a sempiterna batalha de convencer estes principais emissores a adoptar as mudanças necessárias para recolocar o sistema climático numa trajectória que torne a Terra mais habitável, mas se isso implicar perda de lucros irão sempre recusar proteger o planeta, destruindo-o cada vez mais. 

Por mais palhinhas que evitemos usar, por mais reciclagem, por mais tudo aquilo que possamos fazer, enquanto os grandes poluidores continuarem a poluir, não faremos a diferença.

paises.png

28
Dez19

O planeta n√£o est√° a morrer, est√° a ser assassinado

bookini_inverno.png

Decidi apontar as altera√ß√Ķes clim√°ticas como a not√≠cia do ano n√£o s√≥ pelo acordar de consci√™ncias que Greta Thunberg transformou na sua luta e na de todos n√≥s, mas tamb√©m pelos desastres naturais a que temos assistido um pouco por todo o mundo.

O relat√≥rio anual da Organiza√ß√£o Mundial de Meteorologia indicou que a √ļltima d√©cada foi a mais quente desde que h√° registos.

Ondas de calor, cheias, ciclones tropicais e inc√™ndios t√™m sido cada vez mais devastadores e s√£o cada vez menos uma excep√ß√£o.¬†A concentra√ß√£o de CO2 na atmosfera bateu o recorde de 408.7 partes por milh√£o em 2018 e continuou a subir em 2019, a √°gua do mar √© hoje 26% mais √°cida do que no in√≠cio da era industrial, danificando os ecossistemas marinhos e os bancos de gelo no √Ārctico t√™m-se aproximado de um m√≠nimo hist√≥rico.

O aumento da temperatura, a subida do n√≠vel m√©dio da √°gua do mar, os desastres naturais que desalojam¬†milh√Ķes de pessoas e matam outras tantas bastariam para o cerne da nossa preocupa√ß√£o, mas muitos de n√≥s esquecem-se que as altera√ß√Ķes clim√°ticas trazem com ela o aumento¬†da fome global e a escassez de alimentos provocando cat√°strofes humanit√°rias praticamente imposs√≠veis de resolver, porque todo um planeta definha deixando de nos dar¬†suporte de vida.

Como convencer os pa√≠ses mais poluentes do mundo que ganham milh√Ķes com a explora√ß√£o do planeta a aceitar restri√ß√Ķes √† sua gan√Ęncia e protegerem um planeta que √© de todos n√≥s?

Porque o planeta n√£o est√° a morrer, est√° a ser assassinado e os assassinos s√£o milion√°rios com nome e morada, cuja √ļnica preocupa√ß√£o √© ganhar mais e mais √† custa dos recursos naturais do mundo inteiro.

P√°g. 1/11

2019 foi o ano que escolhi para ler Sophia de Mello Breyner
Visitem o mundo encantado de Sophia
Em 2021 irei ler Jorge de Sena
Preparem-se para dar a volta ao vosso mundo
A Miss X aceitou o Desafio de Escrita dos Pássaros pela 2.ª vez!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
A imprensa comentada no final de cada mês na Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O que leio, capa a capa

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Estante

no fundo da estante