Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

31
Mai21

Que transportas ao colo em silêncio e num chaile?

Que transportas ao colo
em silêncio e num chaile?

√Ȭ†a vida? An√ļncios luminosos? Casas econ√≥micas? O mar? Irm√£os? Reivindica√ß√Ķes? Um livro?

Embalas e n√£o respondes.

√Č a vida? A noite que cai? As luzes distantes? Um gesto? Um olhar? Um quadro? Uma poesia l√≠rica?


Excerto do poema Ode ao Surrealismo por Conta Alheia

Pedra Filosofal (1950)

II Poética

in Poesia I de Jorge de Sena

30
Mai21

Desejo, é sol e ramos secos de árvores longínquas, silêncio de mim próprio

Eis-me contemplando ansioso o quadrado luminoso da¬†janela em casas e ru√≠do invis√≠vel, ou, encandeado pelo Outono¬†transl√ļcido, os objectos familiares arrumados, embora dispersos, mas calmos.¬†Sobe de mim uma voz que procura, que¬†percorre os armaz√©ns da ang√ļstia, da alegria, da mem√≥ria,¬†escolhe e n√£o encontra nada ou ningu√©m de quem seja o c√Ęntico. E, no entanto, canta suavemente, ou n√£o, n√£o canta,¬†√© v√©spera de canto, modula√ß√£o futura, suspens√£o harm√≥nica,¬†desejo, √© sol e ramos secos de √°rvores long√≠nquas, sil√™ncio¬†de mim pr√≥prio, sem m√ļsica, sem tema, √© vago entoar de¬†gesto, um ar de dan√ßa, claridade, um estar presente, navegar¬†de outono sobre as nuvens em fio.

Poema Véspera de Canto

Pedra Filosofal (1950)

II Poética

in Poesia I de Jorge de Sena

29
Mai21

Sena mostra a sua vulnerabilidade sem se ajoelhar

conversatorio3_1.png

O mundo √© t√£o grande e t√£o rico, e a vida t√£o¬†cheia de variedade, que nunca faltar√£o motiva√ß√Ķes¬†para poemas.¬†Mas h√£o-de ser sempre poemas circunstanciais,¬†quer dizer, a realidade ter√° de proporcionar-lhes o motivo e a mat√©ria.

Goethe em ¬ęConversa√ß√Ķes de Goethe com Eckermann¬Ľ
- 18 de Setembro de 1823.

Cita√ß√£o que consta de¬†Pedra Filosofal (1950)¬†I - Circunst√Ęncia

in Poesia I de Jorge de Sena

√Ä margem dos poemas, h√° pequenas notas, cita√ß√Ķes, que Sena vai apontando como uma conversa √≠ntima que vai mantendo com o seu leitor: n√£o s√≥ escreve poesia pelo seu pr√≥prio punho, mas tamb√©m partilha as suas leituras.

Nas páginas dos seus livros não se experiencia uma leitura monodimensional, muito pelo contrário, a sensibilidade intelectual do poeta espraia-se para fora dos seus versos de encontro ao leitor com quem mantém uma conversação tertuliana.

Sena mostra a sua vulnerabilidade sem se ajoelhar, questionando filosófica e metafisicamente o mundo, refugiado na sua intimidade humana e ao mesmo tempo saindo dela, afrontando sem desculpas e sem rodeios a condição humana.

Os seus versos palpitam de tens√£o espiritual, desafiando a norma que propositadamente se complexifica para n√£o ser dissolvida.

Houvesse uma fórmula que definisse a sua poesia, seria aquela que multiplicasse infinitamente o conhecimento de si próprio pelo do mundo.

28
Mai21

Perpassa a noite véus de primavera

Da noite a aragem tépida refrescando vem
surpreender as luzes que, interiores, se apagam
lentamente, uma após outra, como em madrugada
ao longe as luzes de outra margem - rio
descido pelas √°guas tenuamente crespas,
sombras passando, e escorre matutina,
ainda sem brilho, a vibração das águas,
enquanto rósea apenas de uma aurora ausente
a crista das montanhas reverdece.

Por sobre a plácida e pensante aragem física
das viola√ß√Ķes diurnas, de amarguras,
vilezas vistas e trai√ß√Ķes sonhadas,
notícias de jornal e desafios,
guerra eminente ou, mais que dolorosa,
cravada nas imagens de uma paz sombria,
perpassa a noite véus de primavera,
glicínias que amanhã estarão floridas,
e folhas verdes, muito fr√°geis, tenras,
e o azular-se o mar, o distanciar-se o céu
na crua luz que juvenis sorrisos,
braços ligeiros de alegria funda,
devora lentamente, e as rugas ficam.
- ao longe as luzes de outra margem, rio
onde a noite se esconde até à morte.

Poema Equinócio da Primavera

Pedra Filosofal (1950)

I Circunst√Ęncia

in Poesia I de Jorge de Sena

24
Mai21

Jorge de Sena | Coroa da Terra

Terminei a leitura dos poemas seleccionados de Coroa da Terra, publicados em 1946, escritos, quase todos eles, durante os anos em que Sena viveu como estudante universitário no Porto.

Quando foi excluído da Marinha de Guerra Jorge de Sena decide estudar Engenharia Civil na Faculdade de Engenharia do Porto, onde obtém a licenciatura em 1944.

Aliás, 1944 foi um ano difícil para o poeta em que para além do luto pelas mortes do pai e da avó materna, viveu atormentado pelas dificuldades económicas, vivendo da ajuda financeira dos amigos.

Talvez por isso, os poemas de Coroa da Terra me pare√ßam t√£o¬† rudes e dilacerantes, como se a crian√ßa que nunca foi n√£o tivesse inf√Ęncia a perder e sofresse de uma adult√≠cia perp√©tua que nunca o abandonaria.

P√°g. 1/3

Quanto mais leio, menos sei

O autor português de 2021 é Jorge de Sena
Preparem-se para dar a volta ao vosso mundo
A autora portuguesa em destaque de 2019/2020 foi Sophia de Mello Breyner Andresen
Visitem o seu mundo encantado
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos P√°ssaros est√° aqui!
Tudo o que escrevi para Os Desafios da Abelha est√° aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
A imprensa comentada no final de cada mês na Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O que leio, capa a capa

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Estante

no fundo da estante