Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

22
Mai21

Talvez seja do sol, da lua ou das marés

imageedit_3_7364287148.png

Arredada da blogosfera e a viver na minha estante tenho vivido uma vida dupla. Secretamente sou uma ladra sem escr√ļpulos. Roubo impiedosamente tempo para ler, aquilo que, de facto, alimenta este blog.¬†N√£o posso escrever sobre o que n√£o leio.

Por enquanto continuo muito - talvez demasiado - focada na poesia de Sena. Ando obcecada por ele.

Não há explicação plausível para esta minha secreta obsessão que cresce de dia para dia.

Talvez seja do sol, da lua ou das marés, apenas sei que não consigo deixar de ler os seus poemas, como um vício a que me agarro em busca de inspiração para os meus dias, que continuam tão ou mais intensos que outrora.

Se n√£o fossem eles...

19
Mai21

Uma liberdade para os vivos sorrirem sem viver nem nada

Em uma liberdade pensamos, quando nasce o Sol
uma liberdade para os vivos sorrirem sem viver nem nada;
e quando o Sol se p√Ķe e a noite se desencadeia,
o turbilh√£o de estrelas, porque p√°ra e os olhos o perdem,
traz-nos uma sombra entre as √°rvores das √°rvores como ramos de sombra;

Excerto do poema Êxodo

Coroa da Terra (1946)

in Poesia I de Jorge de Sena

18
Mai21

A marca do corpo definindo os pólos

Longe da realidade √ļnica do tempo,

o tempo n√£o existe vai saindo

pelas pontas dos dedos caminhando

pelas unhas tristes pela areia (...)

 

E dos cadáveres nas sepulturas de rocha apenas fique

o sinal dos ombros, a curva da cabeça descansada

e a marca do corpo definindo os pólos.

Excerto do poema Dólmen

Coroa da Terra (1946)

in Poesia I de Jorge de Sena

16
Mai21

H√° uma guerra, uma paz, armamentos sem fim

No c√©u, sem estrelas como um fumo in√ļtil,

espraiam-se olhares, silêncios, cartas esquecidas,

e t√ļmulos perdidos no subsolo das casas.

 

Um grito de criança. E, no entanto,

h√° uma guerra, uma paz, armamentos sem fim,

e é importantíssimo estudar economia política.

Excerto do poema Cantiga de Embalar

Coroa da Terra (1946)

in Poesia I de Jorge de Sena

Quanto mais leio menos sei
O autor português de 2021/2022 é Jorge de Sena
Preparem-se para dar a volta ao vosso mundo
A autora portuguesa em destaque de 2019/2020 foi Sophia de Mello Breyner Andresen
Visitem o seu mundo encantado
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos P√°ssaros est√° aqui!
Tudo o que escrevi para Os Desafios da Abelha est√° aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
Notícias literárias ou assim-assim em Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Estante

no fundo da estante