Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

30
Jun21

E quem pode julgar ou criticar os portugueses?

bookinicessummer.png

A época das tontices de veraneio já começaram, mas não podemos culpar o calor por tanta idiotia dita e feita.

António Costa nunca reconhece que erra, atirando sempre a culpa para os portugueses que são incentivados a ir a Sevilha em massa apoiar a selecção.

J√° ningu√©m leva a s√©rio as recomenda√ß√Ķes deste governo. Com tantas excep√ß√Ķes execr√°veis s√£o sempre os mesmos que t√™m de estar confinados. E quem pode julgar ou criticar os portugueses que est√£o fartos das excep√ß√Ķes reservadas apenas para cidad√£os especiais?

29
Jun21

Jorge de Sena | As Evidências

As Evidências exigiram várias visitas de Jorge de Sena à censura, visto que estes poemas revelavam de forma subtil o seu incorfomismo.

Vinte e um sonetos de um poema só, que segundo Sena, foram fruto angustiosamente amadurecido de uma outra sinceridade; aquela que devemos a nós próprios e à nossa própria expressão, naqueles momentos, como que revelados, de aceitação transcendente, demasiado áspera para ser lembrada todos os dias, mesmo em presença da poesia, e de objetividade em face do mundo, demasiado incómoda para as vantagens quotidianas de sermos apenas nós próprios.

27
Jun21

Jorge de Sena | Pedra Filosofal

H√° coisas na vida mais belas que a vida

coisas terríveis tão belas ocultas

que coisas n√£o s√£o.

Estes versos de Jorge de Sena definem Pedra Filosofal. Dividido em tr√™s partes - Circunst√Ęncia, Po√©tica e Amor - cont√©m poemas bel√≠ssimos que aprofundam a dial√©ctica do vis√≠vel e do invis√≠vel. N√£o sendo opostos, mas uma forma de ver. Ver para al√©m do que n√£o se v√™ e que existe n√£o se vendo, o mais puro e oculto sentido do mundo.

26
Jun21

E no perigo uma calma

O sorriso amantíssimo que

me n√£o sonha o futuro.

 

Um l√Ęnguido abandono

que me n√£o conhece.

 

E no perigo uma calma

só do desejo encontrado.

 

Meu amor de uma hora,

obrigado.

Poema Canção

Pedra Filosofal (1950)

III Amor

in Poesia I de Jorge de Sena

23
Jun21

Tudo se perde no que quero

De amor quem amo nunca sei ao certo

e a quem me tem amor sei que esse amor

eu amo ardentemente e nada mais.

Dizer de amor, sei bem de quem n√£o digo;

não sei, porém, já se o disser, de quem.

Tudo se perde no que quero. Às vezes,

quando possuo, n√£o possuir quisera.

E teu amor me quer. Como saber

se quero ou se n√£o quero que se perca?

Dizer de amor, assim, pensando em tudo?

Ser esse amor que sou em teu amor?

Como é possível nascer outro, enquanto

o mesmo me conheço e a quem nasço?

Qual um ou outro? O que se esquece? Aquele

que se recorda? O que n√£o pensa? O que

finge lembrar-se? Mas lembrar o quê?

Eu amo ardentemente e nada mais.

Poema Rondel

Pedra Filosofal (1950)

III Amor

in Poesia I de Jorge de Sena

P√°g. 1/3

Quanto mais leio, menos sei

O autor português de 2021 é Jorge de Sena
Preparem-se para dar a volta ao vosso mundo
A autora portuguesa em destaque de 2019/2020 foi Sophia de Mello Breyner Andresen
Visitem o seu mundo encantado
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos P√°ssaros est√° aqui!
Tudo o que escrevi para Os Desafios da Abelha est√° aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
A imprensa comentada no final de cada mês na Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O que leio, capa a capa

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Estante

no fundo da estante