Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

06
Set21

O momento em que Sena atravessa a rua

King's Road, 1960, Londres

King's Road, 1960, Londres

Há pequenas delícias que Sena deixa escapar nas suas notas. Aliás, se não fossem as suas notas, prefácios e posfácios nunca conseguiria entrar na sua intimidade.

Para Sena tudo era motivo de inspiração e um deles foi o momento em que atravessa a rua em King's Road e que viria a eternizar em poema. 

Este poema que foi sentido pelo autor ao atravessar, abertas as luzes verdes, a King's Road, que √© o eixo central de Chelsea, em Londres, bairro aonde vivi durante uma estadia brit√Ęnica em 1957 (bairro que ainda n√£o era o ¬ęchique¬Ľ reles e gr√£-fino que se tornou), comemora, com a dedicat√≥ria, o encontro, a que assisti, dos dois monstros sagrados, o ingl√™s e o brasileiro, creio que no dia em que o poema foi escrito.

Esse encontro narrei-o algures, num artigo. Edith Sitwell já eu conhecera antes, em anterior visita à Inglaterra. Manuel Bandeira, com quem tinha correspondência e troca de livros, havia anos, e com quem vim a conviver bastante no Rio de Janeiro, nos anos 1959-65 (desde que cheguei e até que saí do Brasil), conheci-o nessa minha estada que coincidiu com a presença de Bandeira na Europa, e em Londres aonde chegámos com poucos ou creio que um dia de diferença.

Porque entre vários passeios o levei a ver a Abadia de Westminster, e por acaso fomos interrompidos no caminho pela pomposa passagem da Rainha que ia presidir à abertura solene do Parlamento ou coisa parecida, Manuel celebrou a visita à catedral, a passagem de Isabel II por diante de nós, e a nossa coincidência londrina numa bela crónica, Eu vi a Rainha.

in Notas a alguns poemas

Poesia II de Jorge de Sena

04
Set21

Versos que deixam de pertencer a quem os escreveu e s√£o de toda a gente

ABFD3AE2B5024B469072A828FB160749.jpg

Todos os poetas escrevem um poema marcante ou até vários.

Versos que andam na boca das gentes, que caminham pelas ruas do mundo, como preg√Ķes gritados √† janela.

Como poderemos alguma vez esquecer aqueles versos de Sophia:

Quando eu morrer voltarei para buscar
Os instantes que n√£o vivi junto do mar

Ou os de Fernando Pessoa:

O poeta é um fingidor.
Finge t√£o completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E particularmente estes versos de Jorge de Sena

N√£o hei-de morrer sem saber

qual a cor da liberdade.

Poderia enumerar tantos mais poemas que passam pelos tempos e não caem no esquecimento. 

Versos que deixam de pertencer a quem os escreveu e s√£o de toda a gente.

03
Set21

¬ęQuem a tem...¬Ľ

N√£o hei-de morrer sem saber

qual a cor da liberdade.

 

Eu n√£o posso sen√£o ser

desta terra em que nasci.

Embora ao mundo pertença

e sempre a verdade vença,

qual ser√° ser livre aqui,

n√£o hei-de morrer sem saber.

 

Trocaram tudo em maldade,

é quase um crime viver.

Mas, embora escondam tudo

e me queiram cego e mudo,

n√£o hei-de morrer sem saber

qual a cor da liberdade.

Poema¬†¬ęQuem a tem...¬Ľ

Fidelidade (1958)

in Poesia II de Jorge de Sena

02
Set21

Notícias, histórias fictícias

bookinicessummer.png

Neste quase final de Verão quero escrever futilmente sobre o nada e o vazio em que caí ao adormecer de frente para o mar, dos cabelos despenteados que recusaram o pente e a escova, da pele salgada e rebelde de sol e areia, dos meus olhos que se inundaram de marés.

Queria lá ficar onde estive, naquele estado de irresponsabilidade fingida, de despreocupação e esquecimento pelo mundo.

Notícias houvesse e ignorava-as uma por uma, histórias fictícias de um livro que recusava ler. Deixei-as ficar naquele limbo onde nada acontece, por isso neste final do mês não comentarei absolutamente nada que não seja o mar e o sol.

01
Set21

Isto

N√£o queiras, n√£o perguntes, n√£o esperes.

Isto que passa como vida e tu

medes em dias, horas e minutos,

ou como tempo passa e vais medindo

em rugas e lembranças e em sombrias

e pl√°cidas vis√Ķes de coisa alguma,

às vezes sorridentes, mas sombrias;

sim: isto, a que d√°s nomes, que separas

do resto em que surgiu, de que surgiu;

isto, que j√° n√£o queres, n√£o interrogas,

de que j√° nada esperas, mas que queres,

por que perguntas sempre, e por que esperas;

isto, que não és tu, nem vai contigo,

nem fica quando vais; em que n√£o pensas,

porque ao medir apenas medes e 

nada mais fazes que medir - só isto,

apenas isto, isto unicamente:

n√£o queiras, n√£o perguntes, n√£o esperes,

que o pouco ou muito é tudo o que te resta.

 

Poema Isto

Fidelidade (1958)

in Poesia II de Jorge de Sena

P√°g. 4/4

Quanto mais leio menos sei
O autor português de 2021/2022 é Jorge de Sena
Preparem-se para dar a volta ao vosso mundo
A autora portuguesa em destaque de 2019/2020 foi Sophia de Mello Breyner Andresen
Visitem o seu mundo encantado
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos P√°ssaros est√° aqui!
Tudo o que escrevi para Os Desafios da Abelha est√° aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
Notícias literárias ou assim-assim em Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Estante

no fundo da estante