Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

28
Out21

E tudo acaba da melhor das maneiras

- Então, aconselha-me a que lhe encoste uma faca na garganta?

- Exactamente, e de maneira a que a sua mãozinha fique o mais perto dos lábios dele. Assim, ele vai beijar-lhe a mãozinha, e tudo acaba da melhor das maneiras - respondeu Vrônski.

in Anna Karénina de Lev Tolstoi

27
Out21

Mécia nunca foi a mulher por detrás do poeta

image.jpg

@ jn.pt

O Porto foi marcante para Jorge de Sena e ele próprio nunca o poderia negar perante as evidências que contribuíram para o seu destino.

Foi também lá, em 1940, que conhece e torna-se amigo de Mécia, irmã de Óscar Lopes famoso crítico e historiador literário. Namoraram cinco anos e casaram até que a morte os separou.

Tiveram nove filhos e Mécia foi sempre incansável e enérgica, apoiando Sena nas inúmeras crises que teve de enfrentar ao longo de uma vida atribulada.

Combativa, nunca foi a mulher por detrás do poeta, pelo contrário, manteve-se sempre ao seu lado, muitas vezes antecipando e prevendo as necessidades da genialidade que habitava o grande amor da sua vida.

26
Out21

Este homem que tinha o pensamento nos dedos

Uma arte de compor a música como quem escreve um poema,

a força que se disfarça em languidez, um ar de inspiração

ocultando a estrutura, uma melancolia harmónica por sobre

a ironia melódica (ou o contrário), a magia dos ritmos

usada para esconder o pensamento - e escondê-lo tanto,

que ainda passa por burro de génio este homem que tinha o pensamento nos dedos,

e cuja audácia usava a máscara do sentimento ou das formas livres

para criar-se a si mesmo.

Excerto do poema Chopin: Um Inventário

Arte de Música (1968)

in Poesia II de Jorge de Sena

26
Out21

Jorge e Mécia têm uma maneira de falar do amor

2013_-_Correspondencia_Jorge_de_Sena.jpg

Estou a ler o livro Correspondência Jorge de Sena e Mécia de Sena «Vita Nuova» (Brasil, 1959-1965) com organização de Maria Otília Pereira Lage, que me tem permitido mergulhar, de certa forma, na intimidade de Mécia e Jorge de Sena.

As cartas entre eles, para além de nos permitir um voyeurismo atrevido de aspectos íntimos do casal, também nos dá a conhecer episódios e acontecimentos de uma época aprisionada pela censura.

São cartas cheias de amor, mas também de muita angústia, de muita distância. Algumas extraviadas, outras tantas atrasadas são mais do que um «diário a quatro mãos».

Vasco Graça Moura deixou-nos um dos melhores testemunhos como leitor deste livro:

Jorge e Mécia têm uma maneira de falar do amor que os une da maneira mais surpreendente e mais frequente. Não há carta em que um ou mais parágrafos não exprimam toda a gama de sentimentos amorosos, da saudade intensa ao desejo, sem rodeios sem timidez, sem invocações do transcendente, antes como simples e fortíssima pulsão humana. O real, a vida prática, o pragmatismo das situações atravessadas, entrelaçam-se assim com um monumento ao amor entre dois seres humanos que o vivem em cada momento das suas vidas, apesar de tantas léguas e tanto tempo posto a conseguir enfim atravessá-las.

Se o exílio de Jorge de Sena, iniciado no Brasil por 16 anos e rematado por mais 13 anos não tivesse servido para mais nada, se a sua obra torrencial não constituísse um legado incomparável para as gerações futuras, bastaria esta troca de cartas para podermos classificar este livro como um dos momentos mais altos da epistolografia portuguesa.

Vasco Graça Moura @ dn.pt

25
Out21

Acontece de a música dizer o que as palavras apenas indicavam ou escondiam

Como é possível? Como foi possível? Deu a música

aos poemas o que não tinham? Ou eles

tinham o que às vezes poesia pode ter sem

bem ser poesia: a falta dela

que a música pode compor e criar?

Tantas vezes grande música se fez com má poesia,

e tão raras vezes foi feita com poesia grande!

Mas há casos em que, na verdade, o que a poesia diz

ou diz tão vulgarmente e vacuamente

não importa, porque é só pretexto para a voz

(como foi, quando escrita) - e então este milagre

acontece de a música dizer o que

as palavras apenas indicavam ou escondiam.

Excerto do poema Canções de Schubert sobre Textos de Wilhelm Müller

Arte de Música (1968)

in Poesia II de Jorge de Sena

Pág. 1/10

Quanto mais leio menos sei
O autor português de 2021/2022 é Jorge de Sena
Preparem-se para dar a volta ao vosso mundo
A autora portuguesa em destaque de 2019/2020 foi Sophia de Mello Breyner Andresen
Visitem o seu mundo encantado
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos Pássaros está aqui!
Tudo o que escrevi para Os Desafios da Abelha está aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
Notícias literárias ou assim-assim em Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog não adopta o novo Acordo Ortográfico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Estante

no fundo da estante