Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

16
Nov19

A Estrela

Vi uma estrela tão alta,

Vi uma estrela tão fria!

Vi uma estrela luzindo

Na minha vida vazia.

 

Era uma estrela tão alta!

Era uma estrela tão fria!

Era uma estrela sozinha

Luzindo no fim do dia.

 

Porque da sua distância

Para a minha companhia

Não baixava aquela estrela?

Porque tão alta luzia?

 

E ouvi-a na sombra funda

Responder que assim fazia

Para dar uma esperança

Mais triste ao fim do meu dia.

in Lira dos Cinquent'anos

Antologia - Manuel Bandeira

16
Nov19

Feitos cinza que em pranto ao vento espalho?

Frescura das sereias e do orvalho,

Graça dos brancos pés dos pequeninos,

Voz das manhãs cantando pelos sinos,

Rosa mais alta no mais alto galho:

 

De quem me valerei, se não me valho

De ti, que tens a chave dos destinos

Em que arderam meus sonhos cristalinos

Feitos cinza que em pranto ao vento espalho?

 

Excerto do poema Soneto Italiano

in Lira dos Cinquent'anos

Antologia - Manuel Bandeira

15
Nov19

Manuel Bandeira | Não há nada no mundo que eu goste mais do que de música

bandeira3.jpgManuel Bandeira, Vinicius de Moraes, Tom Jobim e Chico Buarque de Holanda

@ enciclopedia.itaucultural.org.br

A propósito da canção Corcovado de Tom Jobim e de outras canções que me têm feito companhia durante a leitura de Manuel Bandeira, não poderia deixar de recordar a ligação estreita que o poeta sempre manteve com a música.

Para além de tocar piano e violão, muitas vezes desempenhou o papel de crítico musical.

Aliás, há pequenas delícias que denotam o seu amor à música, que não são coincidência, como o título de um dos seus livros de poesia - Carnaval - inspirado numa peça do compositor Robert Schumann.

Não há nada no mundo que eu goste mais do que de música. Sinto que na música é que conseguiria exprimir-me completamente.

Estranhamente, Manuel Bandeira foi um dos poetas mais musicados da sua geração: foram 128 composições, muitas delas totalmente desconhecidas pelo público.

Poucas se tornaram conhecidas, mas duas delas saltaram para a ribalta: Rondó do Capitão cantada por Ney Matogrosso e Trem de Ferro cantada por Tom Jobim.

Um dos primeiros compositores que uniu a música à poesia de Manuel Bandeira foi Villa-Lobos. Têm 15 composições em conjunto, no entanto a maioria não foi gravada e algumas só se conseguem encontrar em discos fora de circulação. 

O poeta nunca se dedicou à actividade de letrista como fez Vinicius de Moraes, nem tão pouco se aventurou no palco com o seu violão:

Sua figura era de um senhor respeitável, fisicamente incompatível para se colocar num palco, bem diferente de Vinicius.

- diz o crítico musical José Ramos Tinhorão

 

Embora seja um poeta muito apreciado pela cadência melódica dos seus versos, a produção musicada da poesia de Manuel Bandeira é uma preciosidade que poucos tiveram a oportunidade de ouvir.

14
Nov19

Foi-se-me um dia a saúde...

logo.jpg

Descobririas o menino que sustenta esse homem,

O menino que não quer morrer,

Que não morrerá senão comigo.

- Manuel Bandeira -

 

Manuel Bandeira conta muito sobre si nos versos que escreve. Basta desbravar cada palavra que declama para descobrir os seus quês, os seus porquês, os seus porque não.

Por isso, nada melhor que partilhar os seus versos, partilhando assim a vida que viveu, particularmente a sua doença que o assolou durante muitos anos: a tuberculose.

A doença fê-lo viver provisoriamente, num não-viver constante, o medo da morte sempre presente, sempre inquietante, e como se não bastasse vivê-lo, escreveu-o em verso.

A doença revelou-se quando estudava arquitectura na Escola Politécnica de São Paulo. Interrompeu os estudos para se tratar e esteve um ano, de 1913 a 1914, num sanatório em Clavadel, Suíça

Como ainda não havia um bom curso de arquitetura no Rio (eu queria ser arquiteto) fui estudar em São Paulo. Aos 18 anos, nas férias do 1º ano para o 2° da Politécnica, fiquei tuberculoso. Durante muitos anos vivi provisoriamente. Hemoptises, tosse, febre, desesperança. Em junho de 1913 segui para um sanatório suíço (Clavadel). Meu pai ganhava um conto e novecentos. A passagem, ida e volta, custava 900 mil réis. O sanatório, com balcão e quarto, 360 mil réis que valiam 600 francos suíços. Lá fiquei até outubro de 1914.

Foi durante a sua estadia no sanatório de Clavadel que escreveu os seus primeiros poemas, perante as dores da sua condição humana. Manuel Bandeira nunca pensou que iria sobreviver à doença como viria a confessar mais tarde no seu poema Pneumotórax:

A vida inteira que podia ter sido e que não foi.

Tosse, tosse, tosse.

A Primeira Grande Guerra fez com que voltasse antes do previsto, em 1914, e o diagnóstico médico não lhe foi favorável:

Com a guerra o franco dobrou e eu não pude continuar lá.

Foi quando perguntei ao Dr. Bodmer: “Quanto tempo de vida o senhor me dá?”

A resposta: “O senhor tem lesões teoricamente incompatíveis com a vida, mas nenhum sintoma alarmante. Pode durar uns cinco… dez anos”.

Este pequeno interlúdio com o Dr. Bodmer viria mais tarde a ser transformado em versos do mesmo poema Pneumotórax:

- Então, doutor, não é possível tentar o pneumotórax?

- Não. A única coisa a fazer é tocar um tango argentino.

Mas contra todas as probabilidades o poeta iria viver até os 82 anos, sempre com a angústia da morte a pesar-lhe nos ombros. Manuel Bandeira nunca acreditou que teria uma vida longa.

Ao voltar da Suíça eu era um inválido. 

Voltei. Mal tinha dado pra conhecer Paris. Só 44 anos depois pude voltar à Europa. Aqui no Rio eu ficava até tarde, deitado na praia, no Leme, diante das recriminações de todos. Em 1917 publiquei meu primeiro livro, “A Cinza das Horas”, 200 exemplares me custaram 300 mil réis. 

 

Quando Manuel Bandeira publicou o seu primeiro livro de poesia A Cinza das Horas, não tinha qualquer intenção de começar uma carreira literária. Como viria a confessar, apenas queria "dar-se a ilusão de não viver inteiramente ocioso". Só se assumiu plenamente como poeta muito mais tarde:

A partir de “Libertinagem” é que me resignei à condição de poeta. 

No seu poema Testamento, viria a confessar:

Criou-me, desde eu menino,

Para arquitecto meu pai.

Foi-se-me um dia a saúde...

Fiz-me arquitecto? Não pude!

Sou poeta menor, perdoai!

O Livrologia é finalista dos Sapos do Ano
Ainda não votaram?
Votem até 30 de Novembro. Aqui!
A Miss X aceitou o Desafio de Escrita dos Pássaros Espreitem o ninho
2019 foi o ano que escolhi para ler Sophia de Mello Breyner
Visitem o mundo encantado de Sophia
point.png
Em 2020 irei ler, ao longo de todo o ano, um autor português. Mas ainda é segredo! Querem tentar adivinhar?
A imprensa comentada no final de cada mês na Operação Bookini
Espreitem as bookinices

📆 Eventos Livrescos

  •  
  • A autora deste blog não adopta o novo Acordo Ortográfico.

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    O que leio, capa a capa

    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D