Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

04
Dez18

William Faulkner| A falta de Helen

bookgram019.pngIlustração criada por William Faulkner para Primeiro Dia de Maio

 

Essa temática [o amor Ideal não dura eternamente] tão querida a Cabell terá certamente influenciado Faulkner no início de 1926 devido à sua relação atribulada com Helen Baird já que ele se sentia bem mais atraído por ela, do que ela por ele, e a constante frustração que daí advinha era-lhe bastante dolorosa.

Margery Gumbel disse-me que Faulkner conversara com ela em 1925 em New Orleans sobre a indiferença de Helen Baird.

A tia de Helen (...) recordava-se que, em 1926, enquanto escrevia Mosquitoes numa casa de campo vizinha à sua na praia de Pascagoula, Faulkner lhe confessara de uma forma dramática e apaixonada como sentia a falta dela.

 

Carvel Collin in Introdução de Primeiro Dia de Maio de William Faulkner

04
Dez18

Não é a coisa em si que o homem deseja mas o desejar da coisa

¬ęE agora sei que ela n√£o √© diferente das outras raparigas que conheci, fossem elas vulgares ou belas. Ocorre-me¬Ľ, continuou profundamente o jovem Sir Galwyn, ¬ęque n√£o √© a coisa em si que o homem deseja mas o desejar da coisa. Ah, mas fere-me como espadas, saber que aquela que √© mais encantadora do que a m√ļsica, n√£o me contentaria nem por um s√≥ dia.¬Ľ

 

Primeiro Dia de Maio-William Faulkner

04
Dez18

William Faulkner| O manuscrito que dedicou a Helen Baird

bookgram018.pngIlustração criada por William Faulkner para Primeiro Dia de Maio

 

William Faulkner escreveu, ilustrou e encadernou o pequeno manuscrito a que deu o nome de¬†Primeiro Dia de Maio. Datou-o de¬†27 de Janeiro de 1926, dedicou-o a Helen Baird e ofereceu-lhe a √ļnica c√≥pia conhecida.

(...)

Primeiro Dia de Maio, al√©m de ser o op√ļsculo manuscrito mais directamente relacionado com a obra-prima de Faulkner, √©, na minha opini√£o, √ļnico, de uma forma adicional se bem que menor.

Alguns dos outros op√ļsculos cont√™m, como j√° foi mencionado, desenhos de Faulkner a tinta preta, nomeadamente os que aparecem ao longo de Marionettes, mas as tr√™s aguarelas ao tamanho da p√°gina em¬†Primeiro Dia de Maio, tornam-no o √ļnico op√ļsculo de Faulkner conhecido, e ainda existente em boas condi√ß√Ķes, com ilustra√ß√Ķes a cores.

Carvel Collin in Introdução de Primeiro Dia de Maio de William Faulkner

04
Dez18

Devo procurar aquela que me faz lembrar o mel e a luz do sol

¬ęQualquer que escolheis, ambas as princesas podem bem lan√ßar um genro em qualquer neg√≥cio que ele deseje.¬Ľ

¬ęAh, n√£o sei¬Ľ, diz o jovem Sir Galwyn. ¬ęComo posso saber qual destas donzelas √© aquela que vi no sonho? Quem mo poder√° dizer, visto que v√≥s admitis n√£o o poder? Embora lamente que estas duas princesas pade√ßam no cativeiro, n√£o posso desperdi√ßar a minha juventude, procurando por a√≠, libertando donzelas cativas que tanto quanto sei s√£o bem mais felizes no cativeiro do que em liberdade e que me poderiam at√© considerar um intruso, j√° que devo procurar aquela que me faz lembrar o mel e a luz do sol.¬Ľ

Primeiro Dia de Maio-William Faulkner

03
Dez18

William Faulkner| Helen Baird, a sua paix√£o

Helen Baird @ deepblue.lib.umich.edu

 

Faulkner conhece Helen Baird em Nova Orleães e passa com ela o Verão de 1925 na praia de Pascagoula, Mississípi.

Faulkner fica completamente rendido a esta mulher jovem, mundana, céptica e indomável, apaixonando-se perdidamente por ela.

Escreve-lhe um pequeno manuscrito de sonetos que intitula Helen: a Courtship.

 

O poema introdutório dos sonetos que escreveu para Helen Baird em Helen: a Courtship @ deepblue.lib.umich.edu

 

Em 1926 escreve-lhe Mayday (Primeiro Dia de Maio), uma alegoria medieval sobre o cavaleiro Sir Galwyn de Arthgyl, que se encontra numa busca f√ļtil pelo amor, busca essa que acaba na sua pr√≥pria morte.

Faulkner pede Helen em casamento, mas ela recusa. Apesar de gostar dele como o boémio excêntrico que era e partilharem a mesma paixão pela literatura, Helen nunca o considerou como um pretendente sério.

Tradução livre de excerto incluso em William Faulkner: Lives and Legacies por Carolyn Porter

02
Dez18

N√£o me podeis dizer qual a que procuro?

¬ęSer√° que esta floresta aqui,¬Ľ diz o jovem Sir Galwyn, ¬ęse encontra t√£o repleta de princesas cativas que n√£o me podeis dizer qual a que procuro?¬Ľ

¬ęBom, n√£o vos estou a sugerir que cada torre que possais ver oculte uma virgem a suspirar, tocando ala√ļde e definhando √† espera da sua liberta√ß√£o e de um matrim√≥nio ilustre.¬Ľ

 

Primeiro Dia de Maio-William Faulkner

O Livrologia é finalista dos Sapos do Ano
Ainda n√£o votaram?
Votem até 30 de Novembro. Aqui!
A Miss X aceitou o Desafio de Escrita dos P√°ssaros Espreitem o ninho
2019 foi o ano que escolhi para ler Sophia de Mello Breyner
Visitem o mundo encantado de Sophia
point.png
Em 2020 irei ler, ao longo de todo o ano, um autor português. Mas ainda é segredo! Querem tentar adivinhar?
A imprensa comentada no final de cada mês na Operação Bookini
Espreitem as bookinices

ūüďÜ Eventos Livrescos

  •  
  • A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    O que leio, capa a capa

    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D