Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livrologia

Livrologia

17
Nov19

A luta de Manuel Bandeira contra a ditadura poética

logo.jpg

Estou farto do lirismo comedido

Do lirismo bem-comportado

- Manuel Bandeira -

 

Não se pode conversar sobre Manuel Bandeira e não mencionar a sua importância no Modernismo Brasileiro.

Quando Manuel Bandeira escreveu os seus primeiros poemas, o parnasianismo dominava a poesia brasileira. Criavam-se poemas respeitando o rigor da forma, com medições exactas de versos e palavras, como se os poemas fossem figuras geométricas perfeitas e matematicamente exactas, mas vazias de inspiração e conteúdo.

Tornavam-se obras de arte expostas numa galeria literária, para serem apreciadas apenas pela sua estética, já que os poemas pouco ou nada transmitiam no seu conteúdo, vazios de profundidade, vazios de sentido humano.

Escrevia-se poesia sob a teoria da arte pela arte, tentando-se a todo o custo alcançar a perfeição estética, que segundo os paranasianos, era o meio de buscar o sentido para a existência humana.

O parnasianismo estava tão entranhado no Brasil que durante anos a poesia esteve sob o jugo restritivo e ditatorial das rimas artificais, do vocabulário rebuscado e de descrições abundantes.

Manuel Bandeira lutava contra esta ditadura poética e queria que a poesia usufruísse de absoluta liberdade de criação. Queria versos livres, unindo a língua falada à escrita, resgatando as origens culturais.

E foi com o seu poema Os Sapos, o seu derradeiro grito de revolta, que a poesia nunca mais seria a mesma, nascendo assim o Modernismo brasileiro.

3 comentários

Comentar post

Quanto mais leio, menos sei

O autor português de 2021 é Jorge de Sena
Preparem-se para dar a volta ao vosso mundo
A autora portuguesa em destaque de 2019/2020 foi Sophia de Mello Breyner Andresen
Visitem o seu mundo encantado
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos Pássaros está aqui!
Tudo o que escrevi para Os Desafios da Abelha está aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
A imprensa comentada no final de cada mês na Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog não adopta o novo Acordo Ortográfico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O que leio, capa a capa

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D