Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livrologia

Livrologia

15
Abr20

Apontamentos aleatórios, alguns engraçados, outros singulares sobre Derzhavin

gavrila2.png

Acabei de ler Derzhavin, mas não queria passar para o próximo poeta sem aqui deixar algumas curiosidades que me esqueci de referir e que não queria deixar cair no esquecimento. São meros apontamentos aleatórios, alguns engraçados, outros singulares:

 

Não, Derzhavin não foi assado no forno com batatas, mas andou lá perto

 

Foi-lhe dado o nome de Gabriel, porque nasceu 10 dias antes da celebração do Arcanjo Gabriel a 13 de Julho na Ortodoxia Eslava.

Era uma criança doente e os seus pais seguiram a tradição da época de assar o bebé (перепекание ребенка), uma cerimónia ancestral em que os bebés prematuros ou doentes são colocados numa pá de padeiro que é colocada dentro e fora do forno três vezes. Isto porque o fogão tradicional russo era considerado um análogo do útero feminino. Colocava-se a criança no forno (que não estava quente) para se refazer, visto que se acreditava que, se uma criança nasce prematura ou doente, significava que ela não tinha amadurecido no ventre da mãe e que tinha de lá regressar para sobreviver e encontrar a vitalidade necessária.

baby.jpg

@ holy-matriarchy.livejournal.com

 

Derzhavin, o choramingas

 

Pouco antes da sua morte, Derzhavin participou no exame final de um jovem poeta em ascensão, Aleksandr Pushkin, que na altura mal tinha entrado na adolescência. Ao ouvir os versos de Pushkin dedicados ao liceu em Tsarskoe Selo no qual estava a formar-se, Derzhavin dominado pela emoção derramou lágrimas de aprovação.

Esse momento histórico viria a ser considerado simbolicamente a transição entre as duas épocas literárias na Rússia: entre o século XVIII e a chamada era de ouro da literatura russa.

 

Derzhavin, um homem viciado em detalhes

 

Ao contrário de outros poetas classicistas, Derzhavin adorava detalhes, inclusivé os mais fúteis, como a cor de papel de parede do seu quarto, perdendo-se muitas vezes - demasiadas! - na criação de um inventário poético das suas refeições diárias.

4 comentários

Comentar post

Quanto mais leio menos sei
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos Pássaros está aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
Notícias literárias ou assim-assim em Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog não adopta o novo Acordo Ortográfico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D