Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Livrologia

Livrologia

20
Nov19

Eu vi um sapo, mas Manuel Bandeira viu muitos mais

logo.jpg

O sapo-tanoeiro,
Parnasiano aguado,
Diz: - "Meu cancioneiro
É bem martelado.
Vede como primo
Em comer os hiatos!

- Manuel Bandeira -

 

O poema Os Sapos não foi um poema qualquer. Foi o poema, aquele que viria a marcar o novo advento da poesia brasileira.

Quando Manuel Bandeira o escreveu em 1918 não imaginou que se tornaria num clássico da literatura brasileira.

Os Sapos tornaram-se no derradeiro grito de revolta contra a ditadura poética, até então em voga e imposta pelos poetas parnasianos e nada melhor do que lhes copiar o estilo para os criticar.

Manuel Bandeira escreveu propositadamente o poema em estilo parnasiano, contando as palavras para respeitar a métrica regular e escolhendo-as a dedo para manter a sonoridade das rimas. Uma espécie de poema por encomenda, escrevendo versos cheios de ironia, criticando a poesia restritiva de então e parodiando a figura do poeta parnasiano, uma autêntica "máquina de fazer versos".

E quem são os sapos?

Os poetas, claro. Cada sapo, um tipo diferente de poeta, e entre sapos há um diálogo imaginário, em que cada um defende o seu modo de escrever versos. 

Tenho quase a certeza que Manuel Bandeira se divertiu à grande a escrever este poema-piada. Apesar da seriedade, conseguiu através do humor criar o que Sérgio Buarque de Holanda definiu como o hino nacional do Modernismo.

2019 foi o ano que escolhi para ler Sophia de Mello Breyner
Visitem o mundo encantado de Sophia
Em 2021 irei ler Jorge de Sena
Preparem-se para dar a volta ao vosso mundo
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos Pássaros está aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
A imprensa comentada no final de cada mês na Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog não adopta o novo Acordo Ortográfico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O que leio, capa a capa

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D