Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

by Miss X

Livrologia

by Miss X

04
Ago18

Aleksandr Blok| O trágico da percepção do mundo

Александр Блок. Шахматово, 1909

Imagem www.pinterest.pt

 

A revolução de Outubro está na base de uma nova descolagem espiritual do poeta e da sua actividade civil. Em 1917, ele chama directamente a "ouvir a música da revolução".

Blok simbolista procurava agora um novo simbolismo social nos acontecimentos que ocorreram. Em Janeiro de 1918, escreve os poemas Os Doze e Os Citas, e também o artigo jornalístico Os Intelectuais e a Revolução.

Blok pensava que a revolução levaria a desconhecidos, mas belos objectivos; que a revolução era uma fúria triunfante, um fogo purificador, no qual pereceria o velho mundo.

Ao convidar personalidades da cultura para participar na construção de um novo mundo, o próprio poeta trabalhou na Comissão Estatal para a publicação dos clássicos da literatura russa, na secção de repertório do departamento teatral da Narkompros (Comissariado do Povo de Educação) e colaborou na editora "Literatura mundial", a qual era dirigida por Gorki.

Mas, em breve, a decepção na encarnação real dos slogans pomposos da revolução, os acontecimentos da Guerra Civil e o início da Nova Política Económica (NPE), na forma de retracção da "onda revolucionária", e os confrontos com a poderosa máquina da nova burocracia levariam Blok a uma crise criativa, fazendo com que quase deixasse de escrever poesia lírica. Os anos de 1920-1921 foram permeados por um clima de profunda depressão, pelo trágico da percepção do mundo, passando por um agudo desencanto perante a realidade.

in www.uc.pt

04
Ago18

Aleksandr Blok| Ramsés

Da poesia de Blok para uma das suas peças de teatro, não deixa de ser estranha a sensação de um poeta sair de si próprio e escrever dramaturgia. As suas palavras nas bocas de outros, exibidas em palco, olhos nos olhos com o seu público.

Ramsés, retrata cenas da vida do Antigo Egipto. Uma alegoria política e social tão visual que conseguimos ouvir o burburinho dos bazares, as cores das especiarias e dos tecidos, o ocre do tempo.