Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

22
Mai22

N√£o h√° palavras que descrevam o Rio

Studio_Project.jpeg

Demos a volta, almo√ß√°mos rapidamente, telefonei ao Bandeira, fui v√™-lo, recebi dele a¬†tua carta, o Ant. [Ant√≥nio] Pedro levou-me ao P√£o de A√ß√ļcar (no telegr√°fico), n√£o h√° palavras que descrevam o Rio, meu Amor, tudo √© literatura barata ante esta grandiosidade espantosa de natureza e do que o homem p√īs nela.

Fomos jantar, convidados pelo Ant. [Ant√≥nio]¬†Pedro, a um restaurante portugu√™s, em Copacabana, de onde, mais exausto sempre regressei¬†ao hotel. Ontem, domingo, era impens√°vel deitar esta carta, o que farei agora pela manh√£¬†(acabo de me levantar e tomar o pequeno almo√ßo). O Bandeira foi muito simp√°tico, vou estar¬†com ele √†s 4 e meia. Os dias passam-se vertiginosamente, num corrupio de pessoas e coisas,¬†num ¬ęatrelamento¬Ľ a que n√£o se pode fugir (...)

Jorge
in¬†Correspond√™ncia Jorge de Sena e M√©cia de Sena ¬ęVita Nuova¬Ľ (Brasil, 1959-1965)

18
Mai22

Para além de escrever, Sena foi também um grande leitor

21823340_Ku98b.pngPara além de escrever, Sena foi também um grande leitor. Tinha uma biblioteca pessoal invejável, mas como escritor também criou uma para os seus leitores.

O seu esp√≥lio e a sua biblioteca foram integrados na Biblioteca Nacional. Manuscritos como¬†Sinais de Fogo,¬†Os Amantes,¬†L√≠ricas Portuguesas, di√°rios, cadernos de poesia, textos publicados na imprensa portuguesa ou brasileira e de confer√™ncias e palestras, nomeadamente o discurso proferido no¬†Dia de Portugal, de Cam√Ķes e das Comunidades Portugueses¬†a 10 de Junho de 1977, bem como¬†cartas trocadas com M√©cia de Sena, correspond√™ncia dos filhos e dos progenitores, cartas trocadas com Alberto de Serpa, Edith Stiwell, Eug√©nio de Andrade, Guilherme de Castilho, Jos√© R√©gio, Rui Belo, Rui Cinatti e Verg√≠lio Ferreira.

12
Mai22

Os √ļltimos¬†dias na Bahia, sem ti

Studio_Project.jpeg

Minha muito querida Mécia, meu querido Amor,
Cheguei enfim ao Rio (viagem excelente, de 3 horas de avi√£o, e panorama a√©reo magn√≠fico)¬†e s√≥ agora, no c√ļmulo da exaust√£o, consigo ter de mim uns momentos (sairei dentro em¬†pouco para uma recep√ß√£o aos ¬ęcoloquiados¬Ľ que vieram ao Rio) para escrever-te. Os √ļltimos¬†dias na Bahia, sem ti, carregado de trabalho de andan√ßas e de confus√£o de gente, ca√≠a na cama¬†exausto e a m√°s horas, para n√£o dormir. Esta noite, andei pelo quarto, √† espera que se acomodasse¬†(n√£o fosse cair em cima de mim, na cama) a osga dom√©stica que no quarto havia... N√£o¬†te escrevi, por me ter sido humanamente imposs√≠vel. (...)

Jorge
in¬†Correspond√™ncia Jorge de Sena e M√©cia de Sena ¬ęVita Nuova¬Ľ (Brasil, 1959-1965)

17
Abr22

Que gente burra

Studio_Project.jpeg

Que gente burra. Não sabem nada, não sonham a que ponto nos queremos, nem sequer nunca lhes passou, por partículas de segundo, na mente, como de facto tenho sofrido por ti.
Nunca compreenderiam que tenho sofrido sempre com esperança e que, possivelmente, a certeza de que precisas de mim, de que só apoiado em mim te libertarás de ti próprio, me faz querer- te mais, com mais forte amor, com mais ternura, com mais intimidade, se é legítimo dizer-se. E também nunca saberão quanto te sou grata por teres feito de mim uma mulher que ama, que deseja e que sabe o que é sentir o prazer de ser possuída e de se entregar até ao fundo mais fundo de si.

Mas como explicar? E para qu√™? Pudesse a minha boca procurar a tua e n√£o mais¬†pensaria em nada. Ser a minha vida preocupa√ß√£o para algu√©m quando eu, eu que sou m√£e, s√≥¬†desejo que meus filhos encontrem quem com eles fa√ßa uma vida s√≥, como n√≥s dois fazemos. A¬†maior e √ļnica amargura da minha vida √© pensar que a morte ou at√© a vida nos separe alguma¬†vez. √Č uma amargura que me adv√©m afinal, e por paradoxal que pare√ßa, de tanto te querer.¬†(...)

Tua sempre, meu amor,
Mécia


in¬†Correspond√™ncia Jorge de Sena e M√©cia de Sena ¬ęVita Nuova¬Ľ (Brasil, 1959-1965)

14
Abr22

A filosofia n√£o est√° distante da nossa vida quotidiana

stoic1.jpgQualquer filosofia é necessária para aprendermos a pensar de forma crítica. Ajuda-nos a ver o mundo de maneira diferente e a mudar a nossa atitude.

A famosa premissa "conhece-te a ti mesmo" inscrito no pórtico de entrada do templo do deus Apolo, na cidade de Delfos na Grécia, no século IV a. C. é a base da filosofia desde o seu nascimento.

Ali√°s, a filosofia n√£o est√° distante da nossa vida quotidiana, muito pelo contr√°rio, ao estar presente nela ajuda-nos a tomar decis√Ķes conscientes, a conhecer-nos a n√≥s pr√≥prios, a n√£o nos alienarmos da realidade que nos rodeia.

Quando caímos num vazio existencial procuramos o consumismo e o produto que compramos assume as características humanas que não temos e gostaríamos de ter. Passamos a ser aquilo que consumimos, a ser o objecto em detrimento da nossa humanidade.

Tudo se resume a uma simples escolha, uma escolha crítica.

11
Abr22

O meu ponto de partida pelo amor (philo) ao conhecimento (sophia)

stoic1.jpg

J√°¬†aqui¬†tinha comentado que o meu interesse pela filosofia tem aumentado nestes √ļltimos anos, especialmente pelo estoicismo, a¬†que mais¬†tem influenciado a minha perspectiva humana do mundo.

Neste momento estou a ler Medita√ß√Ķes de Marco Aur√©lio. Ali√°s, √© um livro para se ir lendo. N√£o √© um livro para se fechar na √ļltima p√°gina, mas para se manter aberto.

A filosofia n√£o se encerra em si mesma: observa, reflecte, questiona e tenta responder l√≥gica e racionalmente √†s quest√Ķes que ela pr√≥pria coloca.

A busca do conhecimento de si e do mundo não se esgota num livro, é apenas um ponto de partida.

Medita√ß√Ķes de Marco Aur√©lio √© o meu ponto de partida pelo amor (philo) ao conhecimento (sophia).

07
Abr22

Esta conversa de surdos que ficam as nossas cartas

Studio_Project.jpeg

Estar√°s melhor, meu Amor? Tenho esperan√ßa de que sim ‚Äď √© t√£o inconceb√≠vel esta dist√Ęncia¬†est√ļpida em tempo tamb√©m, esta conversa de surdos que ficam as nossas cartas que se n√£o¬†respondem! Ter√°s tido o devido cuidado contigo? Tens-te poupado, meu Amor? Lembra-te que,¬†no mundo, s√≥ te tenho a ti ‚Äď que mesmo os filhos um dia se afastam ou podem n√£o compreender-nos. O teu amor me alumia e segue. Terei carta tua, amanh√£?¬†(...)¬†

Teu do coração

Jorge

in¬†Correspond√™ncia Jorge de Sena e M√©cia de Sena ¬ęVita Nuova¬Ľ (Brasil, 1959-1965)

com organização de Maria Otília Pereira Lage 

30
Mar22

Revejo o teu vulto¬†na porta do ¬ęembarque¬Ľ no aeroporto a dizer-me adeus

Studio_Project.jpeg

Minha querida Mécia, meu amor
A saudade imensa que sinto de ti, a amargura de n√£o estares ao meu lado sobrelevam a sensa√ß√£o estranh√≠ssima de respirar o ar livre do Brasil que logo no avi√£o come√ßou. Revejo o teu vulto¬†na porta do ¬ęembarque¬Ľ no aeroporto a dizer-me adeus e de tantas vezes que nos temos separado¬†e de tanto sermos um, foi esta a separa√ß√£o mais dolorosa. Creio que poucas vezes terei sofrido tanto¬†e sei tamb√©m que cada vez mais somos um s√≥, vivemos um no outro, meu Amor, n√£o √©?

in¬†Correspond√™ncia Jorge de Sena e M√©cia de Sena ¬ęVita Nuova¬Ľ (Brasil, 1959-1965)

com organização de Maria Otília Pereira Lage 

Quanto mais leio, menos sei

O autor português de 2021/2022 é Jorge de Sena
Preparem-se para dar a volta ao vosso mundo
A autora portuguesa em destaque de 2019/2020 foi Sophia de Mello Breyner Andresen
Visitem o seu mundo encantado
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos P√°ssaros est√° aqui!
Tudo o que escrevi para Os Desafios da Abelha est√° aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
A imprensa comentada no final de cada mês na Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O que leio, capa a capa

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Estante

no fundo da estante