Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

31
Ago20

Cada lugar aonde chego é uma surpresa

Cada lugar aonde chego é uma surpresa e uma maneira diferente de ver os homens e coisas.

Viajar para mim nunca foi turismo. Jamais tirei fotografia de país exótico.

Viagem é alongamento de horizonte humano.

Na √ćndia foi onde me senti mais dentro de meu mundo interior. As can√ß√Ķes de Tagore, que tanta gente canta como folclore, tudo na √ćndia me d√° uma sensa√ß√£o de levitar. Note que n√£o visitei ali nem templos nem faquires.

O impacto de Israel tamb√©m foi muito forte. De um lado, aqueles homens construindo, com entusiasmo e vibra√ß√£o, um pa√≠s em que brotam flores no deserto e cultura nas universidades. Por outro lado, aquela humanidade que vem √† tona pelas escava√ß√Ķes. Ver sair aqueles jarros, aqueles textos sagrados, o mundo dos profetas. Pisar onde pisou Isa√≠as, andar onde andou Jeremias ‚Ķ Visitar Nazar√©, os lugares santos!

A Holanda me faz desconfiar de que devo ter parentes antigos flamengos. Em Amsterd√£, passei quinze dias sem dormir. Me dava a impress√£o de que n√£o estava num mundo de gente. Parecia que eu vivia dentro de gravuras.

Quanto a Portugal, basta dizer que minha av√≥ falava como Cam√Ķes. Foi ela quem me chamou a aten√ß√£o para a √ćndia, o Oriente: ‚ÄúCata, cata, que √© viagem da √ćndia‚ÄĚ, dizia ela, em linguagem n√°utica, creio, quando tinha pressa de algo, ch√°-da-√ćndia, narrativas, passado, tudo me levava, ao mesmo tempo √† √ćndia e a Portugal.

Cecília Meireles in Última Entrevista

@ Revista Bula

25
Ago20

Mergulhavam em pensamentos, em sonhos, em mundos ou em nada

Um dia, eram os gatos pretos: chegavam tranq√ľilamente,¬†sem estranheza, como visitas antigas.

Subiam as escadas, miravam a cozinha, moviam a cabeça com ares de quem recorda: "Por onde andará Fulana? Será esta?"

Pareciam convencer-se de que haviam acertado: instalavam-se onde entendiam, lambiam-se com a língua rósea e mole, e fina, e longa, semicerravam os olhos, mergulhavam em pensamentos, em sonhos, em mundos ou em nada.

Olhinhos de Gato - Cecília Meireles

25
Ago20

Tudo faz bem, mas só até certo ponto

A cada instante lhe examinavam as solas dos sapatos: não acontecesse andar com os pés molhados.

Mas também com o sol tinham cuidados especiais: podia morrer de insolação. . . Se começava a escurecer, traziam-na depressa para casa: porque há o sereno, que infiltra doenças mansamente, pela cabeça.

Se faz luar grande, fecha-se a janela, porque essa fria luz estraga a vida. "Tudo faz bem, mas só até certo ponto."

Olhinhos de Gato - Cecília Meireles

25
Ago20

Por onde se via o dia de um modo diferente

Tia Tota preferia um remédio de frasquinho azul, com uma tampa de vidro parecida com a cabeça do caracol, e a particularidade de deixar cair uma gota de cada vez, quando colocada em certa posição.

Depois de quebrado, o vidro fornecia cacos muito lindos, por onde se via o dia de um modo diferente.

Olhinhos de Gato - Cecília Meireles

24
Ago20

H√° uma borboleta que pousa-n√£o-pousa

Ela ia facilmente, mas voltava a custo: porque sempre há uma borboleta que pousa-não-pousa na beira de um ramo, e alguma formiga querendo atravessar um fio de água, ou algum caracol viajando com sua bagagem às costas e sondando o caminho com sua estranha testa. . .

Olhinhos de Gato - Cecília Meireles

23
Ago20

O sentido devia estar por dentro

E vestiu-se a grande boneca.

E andava-se com ela, e dizia¬†se: "Mas √© tal qual uma crian√ßa. Abre e fecha os olhos, fala ‚ÄĒ- s√≥¬†lhe falta andar."

Qual é a diferença que há entre as bonecas tão perfeitas e as crianças?

Andou alguns dias assim, procurando o¬†sentido da diferen√ßa. O sentido devia estar por dentro, no mundo¬†invis√≠vel. O sentido devia andar por detr√°s, naquele outro lado das¬†coisas que √© tamb√©m o outro lado das pessoas ‚ÄĒ o lado de que se¬†fica triste, sem que os outros vejam, e onde se pensam coisas que¬†os outros n√£o sabem.

Olhinhos de Gato - Cecília Meireles

2019 foi o ano que escolhi para ler Sophia de Mello Breyner
Visitem o mundo encantado de Sophia
Em 2021 irei ler Jorge de Sena
Preparem-se para dar a volta ao vosso mundo
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos P√°ssaros est√° aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
A imprensa comentada no final de cada mês na Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O que leio, capa a capa

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Estante

no fundo da estante