Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

by Miss X

Livrologia

by Miss X

20
Abr19

Que o desnorteia, sem o deixar perdido

logo11.png

Nunca tive um só problema de expressão, meu problema é muito mais grave: é o de concepção.

 

-Clarice Lispector

 

Numa das suas crónicas Clarice desabafa sobre a sua técnica de escrita.

 

Creio que, como escritora, percebeu que os seus leitores sentiram a sua escrita de uma forma densa, complexa e desestruturada, mas também uma grande empatia para com as suas palavras, como se o próprio leitor as tivesse pensado antes de Clarice as ter escrito.

 

O leitor de Clarice tem sempre um fio condutor ao qual se agarra quando se embrenha nas suas palavras cerradas e profundas. Um fio de prata que o guia por uma floresta imensa de raízes soltas, flores selvagens, pássaros equidistantes que o desnorteia, sem o deixar perdido.

15
Abr19

Cecília, a pastora de nuvens

logo10.pngPastora de nuvens, assim se define Cecília, em três palavras apenas. Com tão pouco diz tanto dela.

 

Um dia pediram-lhe que dissesse qual o seu maior defeito e ela respondeu¬†‚Äúuma certa aus√™ncia do mundo‚ÄĚ. Pastorear nuvens n√£o √© um defeito, mas Cec√≠lia revela um certo desconforto pelo seu distanciamento do mundo, desejando ardentemente ser uma pastora da terra.¬†Como se olhar constantemente o c√©u a tivesse cegado para a terra que pisa.

 

Pastora de nuvens, por muito que espere,

n√£o h√° quem me explique meu v√°rio rebanho.

Perdida atrás dele na planície aérea,

n√£o sei se o conduzo, n√£o sei se o acompanho.

 

(Pastores da terra, que saltais abismos,

nunca entendereis a minha condição.

Pensais que h√° firmezas, pensais que h√° limites.

Eu, n√£o.)

14
Abr19

A entrevista que se vai transformando numa conversa espiritual

logo11.png

Nas crónicas d'A Descoberta do Mundo Clarice partilha também entrevistas que fez como jornalista. Uma dessas entrevistas foi a Alceu Amoroso Lima, crítico literário, professor, pensador, escritor e líder católico brasileiro.

 

Insatisfeito com a sua postura existencial, começou a demonstrar interesse por assuntos religiosos, declarando mais tarde a sua conversão ao catolicismo, facto que teve uma grande repercussão nos meios intelectuais e a entrevista centra-se nesse mesmo tema.

 

O mais interessante é que a entrevista vai-se transformando numa conversa espiritual e sugiro a sua leitura se tiverem oportunidade.

 

Aqui deixo a transcrição de um breve excerto:

Clarice Lispector: -E queria também que o senhor esclarecesse sobre o que pretendem de mim os meus livros.

Alceu Amoroso Lima: -Você, Clarice, pertence àquela categoria trágica de escritores, que não escrevem propriamente seus livros. São escritos por eles. Você é o personagem maior do autor dos seus romances. E bem sabe que esse autor não é deste mundo...

13
Abr19

Como se envelhecer fosse algo de inesperado

logo10.pngApenas hoje comecei a ler Cecília Meireles e já descobri um poema que quero guardar no meu poemário: Retrato. 

 

Um poema da melancolia, do tempo que passa e não espera, da existência como condição humana e perene.

 

O rosto de hoje que já não é o mesmo de ontem, talvez com mais rugas calmas e tristes, com os olhos mais vazios e lábios mais amargos. O rosto é o espelho da vida que vivemos, nele inculcados eventos, pessoas, amores e desamores, deslumbramentos e desapontamentos, a arte estética elevada à condição humana.

 

As mãos, também elas, já sem forças para lutar, paradas, frias, sem vida. Um coração que só se quer esconder, porque mostrando-se, cairá em emboscadas traiçoeiras, atraindo mais cicatrizes que já não cabem.

 

Eu não dei por esta mudança, escreve ela.

Como se envelhecer fosse algo de inesperado. 

12
Abr19

Etérea, a pairar sobre o mundo e raramente vivendo nele

logo.jpgO meu descompasso com o mundo chega a ser c√īmico de t√£o grande. N√£o consigo acertar o passo com ele. J√° tentei me p√īr a par do mundo, e ficou apenas engra√ßado: uma de minhas pernas sempre curta demais.

Clarice Lispector

 

Clarice sempre viveu em descompasso e desconectada. Etérea, a pairar sobre o mundo e raramente vivendo nele.

Quando lemos os seus livros e até mesmo as suas crónicas, em que desvenda um pouco de si, sentimos a melancolia, a desesperança, quiçá o reflexo do que vivia em si.

A sua escrita confusa, muitas vezes povoada com frases¬† distra√≠das,¬†‚Äún√£o entendo‚ÄĚ, ‚Äún√£o sei‚ÄĚ, ‚Äún√£o tenho certeza, mas acho‚ÄĚ, ‚Äún√£o observei‚ÄĚ, revela uma alma 'embriagada' de sonhos, de onde tenta dar o derradeiro passo para transpor o limiar do seu universo, em direc√ß√£o ao mundo l√° fora, mas sempre coxeando, nunca inteira.

06
Abr19

Infelicidade não é ausência de felicidade

Mas o pior √© o s√ļbito cansa√ßo de tudo.

Parece uma fartura, parece que j√° se teve tudo e que n√£o se quer mais nada.

 

Clarice Lispector

logo.jpg

 

Infelicidade não é ausência de felicidade, mas sim um cansaço existencial.

 

A existência está empoeirada de tanto caminho e tanto acreditamos que existimos que a imaginação se torna em nada.