Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

28
Ago20

O conto ¬ęSaga¬Ľ¬†foi inspirado em Jan, o bisav√ī de Sophia

con1.png

Isabel Nery na biografia que esceveu sobre Sophia e que estou a ler neste momento conta que o conto Saga¬†foi inspirado em Jan, o bisav√ī de Sophia:

 

Al√©m de uma hist√≥ria de fam√≠lia, j√° passada de gera√ß√£o em gera√ß√£o, a aventura de Jan com o urso e a expuls√£o do navio inspiraram um dos textos mais claramente autobiogr√°ficos de Sophia, o conto ¬ęSaga¬Ľ, publicado no livro Hist√≥rias da Terra e do Mar, em 1984.

(...)

Em entrevista de 1985, Sophia admite que o conto ¬ęSaga¬Ľ nasceu de uma hist√≥ria de fam√≠lia:

O meu bisav√ī veio realmente de uma ilha na Dinamarca, embarcado √† aventura e foi assim que acabou por chegar ao Porto. O epis√≥dio da saga com o capit√£o, o do n√ļmero de circo com a pele de urso no cais, o abandono do navio - tudo isso aconteceu de facto.Tamb√©m s√£o verdadeiras as palavras que ele disse, mais tarde, a uma das netas: "O mar √© o caminho para a minha casa".

in Sophia de Mello Breyner Andresen de Isabel Nery

13
Jul20

Sophia de Mello Breyner Andresen | A Grécia nos seus livros

con1.png

O fascínio pela Grécia, arriscaria dizer, nasceu com Sophia.

Também com ela nasceu o encanto pela virtude, pela rectidão e pela inteireza que são próprios do modelo heróico.

O curso de Filologia Clássica, que decidiu abandonar em 1939, proporcionou-lhe um primeiro contacto com a civilização grega, que viria a aprofundar nas sucessivas viagens feitas à Grécia, ao longo da vida. 

Em quase tudo o que escrevia, a Grécia espraiava-se ao sol das suas palavras, especialmente nos livros  Dia do Mar e Coral, em  Geografia e sobretudo em Dual. Aliás, Dual é o livro do seu grande encontro com a Grécia.

Em pequenos apontamentos ou num poema inteiro, a sua amada Grécia estará para sempre consigo.

01
Jul20

A ideia de que Cristianismo e virtude n√£o s√£o a mesma coisa

con1.pngDa Grécia, vem um certo encanto pela virtude, pela rectidão e pela inteireza que são próprios do modelo heróico; e, de facto, nas personagens de Sophia, mesmo nas mais burguesas, há sempre uma forte relação com a virtude; seja a honestidade inquebrável do comerciante Hans, seja a inteireza de um cavaleiro nórdico; esta virtude tem sempre uma solidez admirável, quase distante, mas não é propriamente cristã. 

(...)

Este é, aliás, um dos grandes temas morais de Sophia de Mello Breyner: a ideia de que Cristianismo e virtude não são a mesma coisa é radical e presta-se a bastantes equívocos.

O que est√° em causa n√£o √© propriamente uma den√ļncia da hipocrisia, ou a ideia de que os crist√£os n√£o fazem verdadeiramente aquilo que pregam. A ideia √© mais simples e mais profunda: em primeiro lugar, o que Sophia pretende demonstrar √© que a virtude implica um esfor√ßo, sim, mas que n√£o est√° necessariamente relacionada com o amor.

O homem virtuoso pode ser s√©rio e at√© generoso, pode s√™-lo contra todas as tenta√ß√Ķes, mas isso n√£o implica que o Cristianismo e o amor tragam um desconforto √†s suas vidas.

A virtude é uma educação de si-próprio, e por isso louvada por Sophia, com a mesma admiração que lhe merece a grande arte renascentista e tudo aquilo que enobrece o Homem; mas o amor Cristão, porém, não é sobre nós mas sobre os outros.

A ideia de justi√ßa em Sophia √© muito forte porque implica a ideia de que a justi√ßa, enformada pelo amor, exige que o outro esteja acima de n√≥s. √Č, portanto, perfeitamente poss√≠vel ser virtuoso sem ser justo, e ser justo sem ser virtuoso.

O conflito que Sophia traça entre a virtude e a justiça ou o amor não se reduz à ideia de hipocrisia, implica que duas coisas que têm, muitas vezes, consequências iguais são, na raiz, completamente diferentes.

 

Excerto de A virtude e o amor nos contos de Sophia de Carlos Maria Bobone

@ Observador

18
Jun20

A perfeição virada do avesso

con1.pngEste é o conto que descreve de uma forma perfeita As Pessoas Sensíveis que Sophia encarnou em poema.

Aliás neste conto - Retrato de Mónica - Sophia vai ainda mais longe, traçando o perfil da classe social dominante, através de Mónica que condensa em si todas as suas qualidades e defeitos.

Especialmente os defeitos, exibindo em toda a sua plenitude o calculismo e a piedade caritativa hipócrita em relação aos oprimidos.

A ironia neste conto é tão refinada, que Mónica se torna a mulher perfeita, extremamente séria e com um grande sucesso social. Mas esta perfeição é virada do avesso, porque Mónica ao recusar os três valores mais importantes - a poesia, o amor e a santidade - fica sem coração e torna-se numa máquina ao serviço do vazio da projecção social, do poder, da posse e da superioridade.

O relacionamento mais importante de Mónica é com o Príncipe deste Mundo que, segundo o Evangelho de S. João, é nada mais, nada menos que o Diabo, a versão masculina e hiperbolizada de Mónica, a derradeira apoteose da maldade, com quem ela se identifica cada vez mais.

São o casal perfeito, porque "não é o desejo do amor que os une. O que os une é justamente uma vontade sem amor".

15
Jun20

Cada momento vivido, por mais pequeno que seja, é o Paraíso

con1.png

Sabem aquela sensação de desconforto quando lêem algo que a vossa Razão finge não compreender, mas que o Coração abraça em toda a sua profundidade?

√Č assim A Viagem¬†de Sophia. Um casal, qual Ad√£o e Eva, que procura em v√£o o Para√≠so, n√£o percebendo que o Para√≠so que procura n√£o √© um local, mas tempo.

Cada momento vivido, por mais pequeno que seja, √© o Para√≠so, mas o casal desta hist√≥ria persiste pela busca desse local m√≠tico, que n√£o existe, onde reside a sua felicidade, tal como o Homem Contempor√Ęneo.

No caminho que percorrem, sempre que tentam voltar atrás, o que outrora encontraram, desapareceu, porque as escolhas que fizeram são irreversíveis no sentido de nada mais ser como dantes.

Há uma análise muito interessante à alegoria da vida que este conto de Sophia representa e que passo a citar:

Desde o início da narrativa há um sinal de que as várias fases do dia significam as etapas da vida, desde o meio-dia ensolarado com paisagens verdejantes até à velhice, o ocaso sombrio, em uma paisagem ensombrada e opressiva.

Os acidentes ocorridos durante a viagem (o encontro com o cavador,¬†a fonte, a casa vazia, a paisagem paradis√≠aca, etc.) s√£o met√°foras de fatos, viv√™ncias e de recorda√ß√Ķes de ambos, que s√≥ podem ser recuperadas pela mem√≥ria.Os v√°rios tipos de estradas (largas, estreitas, trilhas, carreiros,etc), algumas com as suas encruzilhadas, s√£o um s√≠mbolo da pr√≥pria trajet√≥ria¬†existencial do homem na estrada-vida, suas dificuldades, obst√°culos, etc.

A simbologia da encruzilhada remonta a uma secular tradi√ß√£o presente em¬†v√°rias culturas, remetendo aos quatro pontos cardeais, indicadores das dire√ß√Ķes que o viajante poder√° seguir: Norte, Sul, Leste e Oeste. No caso do¬†conto, a encruzilhada indica as possibilidades de escolha ou do livre arb√≠trio (‚ÄúSurgiu uma encruzilhada. A√≠ viraram √† direita. E seguiram‚ÄĚ).¬†

A irreversibilidade de cada escolha ou de cada decisão poderá determinar o destino dos viajantes, até atingirem a finitude duma viagem que segue em frente rumo ao abismo e da qual nada se leva, senão a esperança de outra vida a esperá-los além da morte.

in Coment√°rio do conto "A Viagem" @ P√°ginas Avulsas de Literatura

27
Mai20

As escolhas s√£o o mais interessante deste conto

con1.png

- Nos tempos que correm - disse a cozinheira - j√° n√£o h√° Deus nem Diabo.

Há só pobres e ricos.

E salve-se quem puder.

~Sophia~

 

O Jantar do Bispo √© muito mais do que uma hist√≥ria sobre a luta entre o bem e o mal. √Č uma hist√≥ria de generosidade, de altru√≠smo, de dignidade e, acima de tudo, de escolhas.

Ali√°s, as escolhas s√£o o mais interessante deste conto.¬† O bem e o mal s√£o intemporais e inevit√°veis na sua ess√™ncia e s√£o as decis√Ķes humanas quem lhes d√° vida.

14
Mai20

O recato do seu humor tímido e refinado

con1.png

Heles dado el nombre de ejemplares, y si bien lo miras no hay ninguna de quien no se pueda sacar un ejemplo.

~Cervantes~

 

√Č assim que Contos Exemplares de Sophia se inicia, com uma cita√ß√£o do Pr√≥logo das¬†Novelas Ejemplares¬†(1613) de Cervantes.

Talvez para acautelar a objecção de como o livro seria recebido, pela crítica  socialmente implícita que continha:

Sentindo-o talvez e acautelando a objecção, parece Sophia querer tutelar-se com a autoridade de Cervantes, que intitulava também as Novelas de exemplares.

~António Ferreira Gomes~

 

A ousadia de Sophia em estabelecer um paralelo dos seus contos com as novelas de Cervantes n√£o √© arrog√Ęncia, mas o recato do seu humor t√≠mido e refinado, que exp√Ķe e questiona as conven√ß√Ķes de uma forma despojada e genu√≠na.

29
Abr20

Um panfleto político em forma de poema

conversatorio2.png

Um dos poemas mais marcantes de Pauliceia Desvairada é Ode ao Burguês, um poema-caricatura do burguês e uma crítica socialmente acérrima.

Mário de Andrade ridiculariza os burgueses, cujas barrigas crescem na mesma proporção em que os cérebros definham.

O próprio poeta declamou este poema durante a Semana de Arte Moderna de 1922, perante uma plateia que era o alvo dos seus versos:

Eu insulto o burguês!

Mário de Andrade foi vaiado pelos convidados, alguns dos quais tinham contribuído financeiramente para a realização do evento, que não aceitaram a crítica de bom grado. 

O poema foi sentido como uma violenta declaração de ódio à aristocracia e à burguesia de São Paulo, pela sua incapacidade de sonhar e de valorizar a espiritualidade. Aliás, o poema é quase um panfleto político contra a sua obsessão pelas aparências e incapacidade de humanidade.

2019 foi o ano que escolhi para ler Sophia de Mello Breyner
Visitem o mundo encantado de Sophia
Em 2021 irei ler Jorge de Sena
Preparem-se para dar a volta ao vosso mundo
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos P√°ssaros est√° aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
A imprensa comentada no final de cada mês na Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O que leio, capa a capa

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Estante

no fundo da estante