Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

08
Jun23

Pela primeira vez, em toda a minha vida de leitora, li um premiado Pulitzer

22237838_aC3Fh.jpeg

Ao criar um ciclo de leitura de premiados Pulitzer decidi dar o primeiro passo, num caminho iniciático peculiar, pela literatura dos Estados Unidos. Sei que há grandes nomes por onde poderia ter começado como Edgar Allan Poe, Emily Dickinson, Walt Whitman, William Faulkner entre tantos outros, mas escolhi começar desta forma.

Pela primeira vez, em toda a minha vida de leitora, li um premiado Pulitzer e, logo o primeiro de todos eles: His Family de Ernest Poole.

Pesei o contexto histórico e a intenção do autor, mas ainda assim Poole não me encantou. Ao explorar a mente de um homem, cujas três filhas crescem e mudam com os novos tempos, Poole coloca a eterna questão existencial se as mudanças acontecem para melhor ou para pior. Tal como Os Irmãos Karamazov de Dostoiévski cada uma das suas três filhas representam três modos diferentes de se viver a existência, como mãe, como activista e como um espírito livre. E é através da família que as grandes mudanças sociais e económicas, que ocorrem com a Primeira Guerra Mundial, são analisadas, o que torna o tema da reforma social, que Poole gosta tanto de advocar, mais real e pessoal e não um mero relato jornalístico.

H√° pequenos precisosismos da √©poca que achei interessantes como o relato de alguns momentos¬†da hist√≥ria de Nova Iorque, o aparecimento dos novos sub√ļrbios da cidade, a mecaniza√ß√£o da agricultura, a¬†liberdade sexual feminina. O que achei mais engra√ßado foi o optimismo e a esperan√ßa com que o autor encara a Primeira Guerra Mundial, esperando um desenlace r√°pido e pac√≠fico, quando no futuro iria ocorrer uma Segunda¬†Guerra Mundial.

Do ciclo de leitura Pulitzer assim est√£o as minhas leituras:

De Ernest Poole:

  • acabei de ler¬†His Family

 

De Booth Tarkington:

  • comecei a ler The Magnificent Ambersons
27
Mai23

Ernest Poole | His Family

899635154.0.x.jpg

Publicado em 1917 e vencedor do Pulitzer em 1918, His Family de Ernest Poole foca-se nas mudanças que ocorrem numa família americana entre 1880 e 1910, à medida que enfrentam os novos desafios da modernidade e as radicais mudanças sociais.

Foi considerado um dos primeiros romances realistas americanos a retratar a vida da classe média alta em Nova York, e foi elogiado pela crítica pela sua capacidade de mostrar o impacto da industrialização e da urbanização no dia-a-dia das pessoas.

Se é uma obra extraordinária? Não.

Considerando o contexto hist√≥rico em que foi publicado e apesar de ter sido inovador ao explorar as¬†tens√Ķes entre a tradi√ß√£o e a modernidade atrav√©s do olhar das suas personagens, n√£o me convenceu.

Umas das particularidades que mais me irritou neste livro é que tudo tem de ter um significado, tudo está fortemente focado nas ideias que o autor quer transmitir, tudo tem de ser repetido uma e outra vez até à exaustão. Muitas vezes fechei o livro, porque já não conseguia ler mais sobre esta imposição ideológica da vida, do progresso ou da família.

Chegou a ser bizarro estar a ler um livro aclamado por reflectir sobre¬†as tens√Ķes sociais e culturais da √©poca, quando na realidade senti que esta reflex√£o era mais um meio de instruir o leitor a seguir uma determinada ideologia.

27
Mai23

New York was like that

And it came to his mind that New York was like that‚ÄĒno settled calm abiding place cherishing its memories, but only a town of transition, a great turbulent city of change, restlessly shaking off its past, tearing down and building anew, building higher, higher, higher, rearing to the very stars, and shouting,¬† "Can you see me now?" What was the goal of this mad career? What dazzling city would be here?

in His Family de Ernest Poole

23
Mai23

Porque é que a escrita de Poole é considerada inovadora

logo.jpg

Considerando os grandes clássicos de literatura que já li, tenho tendência a menosprezar a literatura norte-americana. Não é que a considere menor, simplesmente não exerce em mim o fascínio que espero dela. Talvez tenha criado expectativas irrealistas ou talvez ainda não tenha lido os autores certos como Poe, Hemingway, Steinbeck, Melville, Elliot e tantos outros.

Talvez esteja a subestimar His Family de Ernest Poole e a desvalorizar o seu carácter inovador.

Ali√°s, o seu car√°cter inovador adv√©m do facto de ter sido¬†um dos primeiros escritores americanos a explorar temas sociais e pol√≠ticos, particularmente¬†a luta de classes, a desigualdade econ√≥mica e social, as tens√Ķes raciais e as mudan√ßas culturais que ocorreram nos Estados Unidos no in√≠cio do s√©culo XX.

Poole quis dar voz às classes trabalhadoras, criando personagens que reflectissem os trabalhadores portuários, operários fabris e outros membros da classe trabalhadora, que raramente eram retratados na literatura da época. Escreveu de uma forma realista sobre as suas vidas, esperanças e desafios, tornando-se numa voz representativa daqueles que lutavam por uma vida melhor.

O seu estilo simples e directo foi considerado moderno, comparativamente aos excessos lingu√≠sticos e expressivos que eram muito utilizados na literatura da √©poca, tornando a¬†sua escrita acess√≠vel a um p√ļblico mais vasto.

21
Mai23

O que tem His Family assim de tão especial para ser vencedor de um Pulitzer?

logo.jpgAté que ponto His Family mereceu ganhar o Pulitzer? Ou terá sido Ernest Poole premiado com o livro errado?

Estas s√£o as quest√Ķes que me atormentam √† medida que me aproximo das √ļltimas p√°ginas do livro.

Apesar de Ernest Poole ter sido um escritor de sucesso na sua época, foi caindo completamente na obscuridade ao longo do tempo. E se algum leitor deste blog já ouviu falar dele - ponham o dedo no ar! - terá sido simplesmente por ser o primeiro escritor a ganhar um Pulitzer.

Ainda assim, vamos dar-lhe a benesse de poder ser remotamente recordado pelo seu The Harbor que se tornou num livro de culto e um dos mais elogiados da sua carreira como escritor.

Aliás, ainda hoje se comenta entre as hostes literárias que Ernest Poole ganhou o Pulitzer por The Harbor e não por His Family. 

Então porque raio não ganhou The Harbor o prémio?

A resposta é simples: The Harbor foi publicado em 1915, um ano antes da existência do Pulitzer e acredita-se que, se tivesse sido publicado em 1916, ano da primeira atribuição do prémio, teria ganho.

Especula√ß√Ķes √† parte, o que tem His Family¬†assim de t√£o especial para ser vencedor de um Pulitzer?

Quando foi publicado, a sociedade estava a atravessar mudanças drásticas depoletadas pela Revolução Industrial.  Estruturas sociais consideradas tradicionais e imutáveis ruíram e Roger Gale, a personagem principal, personifica-as, um homem envelhecido à deriva, sem amarras, num mundo que não compreende mais.

13
Mai23

A realidade, mesmo fictícia, tem vontade própria

logo.jpg

O enredo de His Family de Ernest Poole é provavelmente a sua maior fragilidade.

Rigidamente estagnado na declaração da esposa, à beira da morte, a personagem de Roger tem  nas suas mãos a narrativa de um livro inteiro que, à primeira vista, parece caminhar para um clímax, quando, na realidade, fica muito aquém, apesar das várias tentativas falhadas ao longo das páginas.

 

And he remembered what Judith had said: "You will live on in our children's lives." And he began to get glimmerings of a new immortality, made up of generations, an endless succession of other lives extending into the future.

 

Toda a narrativa se foca no modo reflexivo como Roger observa as ac√ß√Ķes das restantes personagens e, como consequ√™ncia, tudo abranda, tudo √© lento, vago, difuso. Como se o pensamento dele quisesse moldar for√ßosamente a realidade que observa √† sua mente, mas a realidade, mesmo fict√≠cia, tem vontade pr√≥pria, escapando por entre os dedos de Ernest Poole.

Quanto mais leio menos sei
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos P√°ssaros est√° aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
Notícias literárias ou assim-assim em Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Estante

no fundo da estante