Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

15
Abr20

Apontamentos aleatórios, alguns engraçados, outros singulares sobre Derzhavin

gavrila2.png

Acabei de ler Derzhavin, mas não queria passar para o próximo poeta sem aqui deixar algumas curiosidades que me esqueci de referir e que não queria deixar cair no esquecimento. São meros apontamentos aleatórios, alguns engraçados, outros singulares:

 

N√£o, Derzhavin n√£o foi assado no forno com batatas, mas andou l√° perto

 

Foi-lhe dado o nome de Gabriel, porque nasceu 10 dias antes da celebração do Arcanjo Gabriel a 13 de Julho na Ortodoxia Eslava.

Era uma crian√ßa doente e os seus pais seguiram a tradi√ß√£o da √©poca de¬†assar o beb√© (–Ņ–Ķ—Ä–Ķ–Ņ–Ķ–ļ–į–Ĺ–ł–Ķ —Ä–Ķ–Ī–Ķ–Ĺ–ļ–į), uma cerim√≥nia ancestral em que os beb√©s prematuros ou doentes s√£o colocados numa p√° de padeiro que √© colocada dentro e fora do forno tr√™s vezes.¬†Isto porque¬†o fog√£o tradicional russo era considerado um an√°logo do √ļtero feminino. Colocava-se a crian√ßa no forno (que n√£o estava quente) para se refazer, visto que se acreditava¬†que, se uma crian√ßa nasce prematura ou doente, significava que ela n√£o tinha amadurecido no ventre da m√£e e que tinha de l√° regressar para sobreviver e encontrar a vitalidade necess√°ria.

baby.jpg

@ holy-matriarchy.livejournal.com

 

Derzhavin, o choramingas

 

Pouco antes da sua morte, Derzhavin participou no exame final de um jovem poeta em ascensão, Aleksandr Pushkin, que na altura mal tinha entrado na adolescência. Ao ouvir os versos de Pushkin dedicados ao liceu em Tsarskoe Selo no qual estava a formar-se, Derzhavin dominado pela emoção derramou lágrimas de aprovação.

Esse momento hist√≥rico viria a ser considerado simbolicamente a transi√ß√£o entre as duas √©pocas liter√°rias na R√ļssia: entre o s√©culo XVIII e a chamada era de ouro da literatura russa.

 

Derzhavin, um homem viciado em detalhes

 

Ao contr√°rio de outros poetas classicistas, Derzhavin adorava detalhes, inclusiv√© os mais f√ļteis, como a cor de papel de parede do seu quarto, perdendo-se muitas vezes - demasiadas! - na cria√ß√£o de um invent√°rio po√©tico das suas refei√ß√Ķes di√°rias.

14
Abr20

O poeta que amava a verdade mais do que os reis

A poesia e as memórias de Derzhavin apresentam um retrato rico e complexo do seu tempo, empregando um diverso conjunto de tópicos, da guerra à paz, do amor à gastronomia.

Aberto √† influ√™ncia de todas as correntes contempor√Ęneas e confort√°vel com v√°rias perspectivas filos√≥ficas, Derzhavin √© lembrado como o poeta que amava a verdade mais do que os reis.

@ www.a4format.ru

14
Abr20

On Transience

Time's river in its rushing course

carries away all human things,

drowns in oblivion's abyss

peoples and kingdoms and their kings.

 

And if the trumpet or the lyre

should rescue something, small or great,

eternity will gulp it down

and it will share the common fate.

 

*  Julho 1816, escrito alguns dias ou possivelmente horas antes da morte do poeta

 

Gavrila Derzhavin

in Chapter I - The Eighteenth Century

The Penguin Book of Russian Poetry - edited by Robert Chandler, Boris Dralyuk and Irina Mashinski

13
Abr20

Derzhavin n√£o foi um vanguardista no seu tempo

gavrila2.png

Derzhavin foi, sem d√ļvida, um dos maiores poetas russos antes de Pushkin, no entanto e apesar da sua poesia revelar uma riqueza universal incompar√°vel, n√£o foi um vanguardista no seu tempo:

A poesia de Derzhavin √© um universo de incr√≠vel riqueza; a sua √ļnica debilidade foi que o grande poeta n√£o foi capaz de se tornar num mestre, nem num exemplo. Ele n√£o fez nada para elevar o n√≠vel do gosto liter√°rio ou melhorar a linguagem liter√°ria; e relativamente aos seus voos po√©ticos, era obviamente imposs√≠vel segui-lo por aquelas esferas vertiginosas.

~D.S. Mirsky~

 

Ainda assim, houve poetas que optaram por seguir os passos de Derzhavin e não os de Pushkin, como Nikolai Nekrasov e Marina Tsvetaeva.

 

13
Abr20

Blest is that man who least depends on other men

Blest is that man who least depends on other men,

whose life is free from debt and from capricious striving,

who goeth not to court for praise, or gold to lend;

and shuns all vanities conniving!

 

Gavrila Derzhavin

Excerto do poema from  To Eugene: Life at Zvanka

in Chapter I - The Eighteenth Century

The Penguin Book of Russian Poetry - edited by Robert Chandler, Boris Dralyuk and Irina Mashinski

05
Mar20

Stronger than metal/ higher than pyramids

I have built myself a monument, miraculous, eternal,

stronger than metal, higher than pyramids;

whirlwind and thunder will not overthrow it;

it will not be destroyed by flying years.

 

Gavrila Derzhavin

Excerto do poema from  The Waterfall

in Chapter I - The Eighteenth Century

The Penguin Book of Russian Poetry - edited by Robert Chandler, Boris Dralyuk and Irina Mashinski

05
Mar20

A mortalidade de um homem e a de todos os homens

conversatorio.png

Derzhavin escreve um poema - On The Death of Prince Meshchersky - versos de luto, pelo amigo que partiu, o Príncipe Meschersky.

Mais do que luto, os versos desta ode dramatizam a mortalidade de um homem e a de todos os homens.

Apesar do poeta ter escrito o poema em nome de Meschersky, não o fez com o intuito de chorar por um herói, nem tão pouco pela perda de um amigo, que era apenas um conhecido. Aliás, há que esclarecer que Meschersky nem sequer era um homem socialmente proeminente. 

Porquê então uma ode a este homem vulgar?

E porque n√£o uma ode a um homem vulgar?

A finitude da vida pertence a todos os homens, bem como a sua contemplação.

04
Mar20

Today we are gods/ tomorrow dust

Death that makes nature quake with dread!

today we are gods, tomorrow dust,

creatures of poverty and pride,

today hope fondly flatters us,

tomorrow - man, where are you now?

Your hours have barely fled away

into the pit of chaos, your time

fades like a dream at the new day.

 

Gavrila Derzhavin

Excerto do poema On The Death of Prince Meshchersky

in Chapter I - The Eighteenth Century

The Penguin Book of Russian Poetry - edited by Robert Chandler, Boris Dralyuk and Irina Mashinski

2019 foi o ano que escolhi para ler Sophia de Mello Breyner
Visitem o mundo encantado de Sophia
Em 2021 irei ler Jorge de Sena
Preparem-se para dar a volta ao vosso mundo
A Miss X aceitou o Desafio de Escrita dos Pássaros pela 2.ª vez!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
A imprensa comentada no final de cada mês na Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O que leio, capa a capa

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Estante

no fundo da estante