Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

11
Dez20

Isabel Nery | Sophia de Mello Breyner Andresen

sofia isabel nery ‚Äď Pesquisa Google.jpg

Não sou uma grande apreciadora de biografias, a não ser que o biografado me interesse tanto que não consiga ignorá-lo. Foi o caso de Sophia de Mello Breyner Andresen de Isabel Nery.

Isabel Nery, jornalista, estreou-se no género biografia com este livro que considero inestimável, não só pela exactidão dos factos da vida da poeta, mas também pelo excelente contexto histórico dos anos ditatoriais da época em que Sophia viveu. 

Muito bem escrito, com detalhes deliciosos de Sophia, cada página mais interessante que a anterior, em que li sem parar, muitas vezes pela noite fora, Isabel Nery consegue trazer-nos Sophia ao mais profundo do seu íntimo, sem desvendar o mistério da sua genialidade.

Em entrevista, Isabel Nery confessou a aventura em que se tornou a escrita deste livro:

Foi uma bela aventura, que me levou até à Grécia, ao Algarve, à Granja e ao Porto, mas também a ouvir cerca de 60 testemunhos.

Desde alguma fam√≠lia, grandes amigos, como Manuel Alegre e Gra√ßa Morais, at√© tradutores e especialistas na obra, assim como o pescador Jos√© Muchacho ou empregados dos restaurantes que Sophia frequentava. Ou ainda historiadores da ilha de F√∂hr (antes Dinamarca, hoje Alemanha) de onde o bisav√ī de Sophia, Jan Andresen, veio para Portugal.

Foi um trabalho profundo, de investiga√ß√£o, por isso, a somar ao que j√° referi, pesquisei arquivos, como os da PIDE, na Torre do Tombo, ou os arquivos da Presid√™ncia da Rep√ļblica, o esp√≥lio da Biblioteca Nacional, assim como artigos de jornal e textos escritos sobre Sophia. O objetivo era chegar a uma vis√£o o mais abrangente poss√≠vel da autora, que me permitisse revelar uma Sophia completa, nas suas diferentes facetas (crian√ßa, mulher, m√£e, amiga, poeta, pol√≠tica).

in www.jornaltornado.pt

10
Dez20

Vinicius de Moraes | O Caminho para a Dist√Ęncia

transferir.jpg

Neste primeiro livro de Vinicius encontramos a ingenuidade dos primeiros poemas.

O caminho que o poeta escolheu foi o da "poesia do esp√≠rito", versejando sobre dilemas metaf√≠sicos e m√≠sticos, procurando alcan√ßar a sua dist√Ęncia.

Desconhece-se o porquê, mas Vinicius anos mais tarde viria a renegar quase todos estes poemas nas futuras antologias da sua poesia:

O Vinicius mandou-me um grande catatau para ser editado sob as minhas vistas. Toda a poesia at√© agora dele, exclu√≠dos os poemas que ele hoje renega (quase todos os de¬†O Caminho para a Dist√Ęncia¬†e muitos de¬†Forma e Exegese).

in Carta de Manuel Bandeira a Jo√£o Cabral de Melo Neto

26
Nov20

M√°rio de Andrade | H√° uma Gota de Sangue em cada Poema

ha-uma-gota-de-sangue-em-cada-poema.jpg

Neste primeiro livro de Mário de Andrade há guerra e devastação. Não encontrei eufemismos que pudessem suavizar estes poemas cheios de sangue, desumanamente derramado.

Quando entramos neste templo liter√°rio, logo nas primeiras p√°ginas, o poeta pede para n√£o prosseguirmos caminho, n√£o sem antes ouvirmos a sua explica√ß√£o, as raz√Ķes que o levaram a escrever e a publicar este livro:

 

O autor crê necessária esta pequena explicação. Estes poemas foram compostos todos em Abril; e desde logo o autor quis dar-lhes a vitalidade de livro - antes de ter o desvairo dos idólatras atingido o nosso Brasil.
Hoje não há mais o ontem em que fomos espectadores. Hoje também os versos seriam muito outros e mostrariam um coração que sangra e estua.
O autor nunca foi aliado. Chorava pela França que o educara e pela Bélgica que se impusera a admiração do universo. E permitia a cada um sua opinião... Agora, porém, ele se envergonha pelos brasileiros que, tendo sido germanófilos um dia, mesmo após o insulto, continuaram de o ser.
Nem todas as nuvens de todos os tempos, reunidas em nosso céu, propagariam uma treva igual à que lhes solapa a inteligência e o infeliz amor da pátria.

16
Nov20

Sophia de Mello Breyner Andresen | A Fada Oriana

oriana.jpg

Já escrevi tanto sobre este livro e do porquê de ser tão especial para mim, que não vou escrever mais sobre ele. Apenas partilhar as palavras já escritas:

Quando aprendi a ler, tornei-me numa menina leitora de fadas. Nunca de princesas. As fadas continham em si uma liberdade e uma magia tais que me fascinavam. Para além disso, abrigavam em si uma sabedoria milenar e misteriosa. As princesas só queriam apaixonar-se, casar e viver felizes para sempre. Nunca as compreendi.

Na minha memória desfocada e quase perdida vejo uma menina de 6 anos, sentada a uma mesa, na escola primária. No dia semanal da leitura, em que podíamos escolher ler o livros que quiséssemos, Oriana levou o dedo aos lábios, fez um shiiuu silencioso e chamou-me para a sua floresta.

Oriana era um nome t√£o bonito. O mais bonito que alguma vez tinha ouvido.

E o fascínio com que ela impregnou a minha vida ainda persiste actualmente.

O que mais gostei na Oriana foi a sua imperfeição. Perdeu as asas e a sua magia. Mas mesmo tendo perdendo tudo, a coragem prevaleceu. E teve a coragem de se perder para salvar alguém.

Desde esse dia, Oriana encanta o meu jardim, dança nos meus suspiros e inventa-me os sonhos.

29
Out20

M√°rio de Andrade | Pauliceia Desvairada

pauliceia.jpg

Pauliceia Desvairada foi o grito de ipiranga de M√°rio de Andrade, com os seus primeiros poemas modernistas.

Neste livro tenta definir o novo caminho da cria√ß√£o art√≠stica brasileira, por isso √© ousado na sua escrita, fazendo arrojadas experi√™ncias com a linguagem: versos livres, associa√ß√Ķes de imagens, linguagem coloquial...

A não perder o seu Prefácio Interessantíssimo para quem queira compreender o impacto que Mário de Andrade teve nas bases do Modernismo brasileiro. Se não fosse ele, talvez o Modernismo não fosse tão celebrado nos tempos que se seguiram à Semana de Arte Moderna, tendo sido ele próprio a força motriz por detrás desse evento cultural que viria a reestruturar toda a literatura e as artes visuais brasileiras.

22
Out20

Cecília Meireles | Olhinhos de Gato

olhinhos.jpg

Com Olhinhos de Gato termino o meu ciclo de leitura de Cecília Meireles.

E termino com esta reflex√£o po√©tica sobre a dor da perda, a solid√£o, a morte e o luto, embalada pelas hist√≥rias da ama e pelo afecto da av√≥, pelas brincadeiras infantis, medos, ensinamentos e descobertas no¬†bairro do Est√°cio, no Rio de Janeiro, onde Cec√≠lia passou a sua inf√Ęncia.

Já sinto saudade do seu traço firme e elegante e há momentos em que Olhinhos de Gato ainda chama por mim, para vir brincar e mostrar os vestidinhos das bonecas, as árvores de fruto, as formas das nuvens que desenham castelos no ar e princesas de além-mar.

21
Ago20

Cecília Meireles | Ou Isto ou Aquilo

Um cl√°ssico da literatura infantil brasileira que tem conquistado pequenos e grandes leitores.

Poemas que brincam com as palavras, com o som, com as rimas, fazendo delas m√ļsica.

Poemas que fazem perguntas imprevis√≠veis, compara√ß√Ķes rocambolescas, baloi√ßando a imagina√ß√£o com a fantasia.

Nestas p√°ginas reaprendemos a ser crian√ßas, redescobrindo a import√Ęncia das pequenas coisas.

19
Ago20

Cec√≠lia Meireles | C√Ęnticos

Apesar de escrito em 1927, os 26 poemas e o manuscrito de C√Ęnticos s√≥ vieram a p√ļblico em 1981.

Cada poema tem uma aura mística e transcendental, levando-nos a percorrer o fascíno de Cecília pela filosofia budista, pela literatura de Tagore e pelo pacifismo de Gandhi. Cada um deles a ser lido num sussurro, para meditarmos sobre o destino humano, o tempo, a memória e os eternos duelos existenciais que travamos ao longo da vida.

Definitivamente, um dos meus livros preferidos de Cecília.

O autor português de 2021 é Jorge de Sena
Preparem-se para dar a volta ao vosso mundo
A autora portuguesa em destaque de 2019/2020 foi Sophia de Mello Breyner Andresen
Visitem o seu mundo encantado
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos P√°ssaros est√° aqui!
Tudo o que escrevi para Os Desafios da Abelha est√° aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
A imprensa comentada no final de cada mês na Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O que leio, capa a capa

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Estante

no fundo da estante