Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

19
Jul23

Sophia de Mello Breyner e Jorge de Sena | Correspondência 1959-1978

9789898174536_1609867297.jpgEste é o livro que remata e finaliza o ciclo de leitura de Jorge de Sena.

A sua leitura mais demorada do que o previsto foi finalmente concluída, unindo estes dois escritores que se tornaram tema dos meus primeiros ciclos de leitura de autores portugueses.

Quando leio um autor gosto de fazer leituras paralelas dos seus diários, entrevistas, biografias ou até mesmo correspondência e, com este livro, tive a oportunidade de juntar dois dos autores que mais admiro.

Não só podemos ler palavras de saudade e de ausência de uma profunda amizade, mas também retalhos da vida social de Portugal dos anos 60 e 70.

17
Jul23

A poesia n√£o inventa outro mundo

tuxpi.com.1664025071.jpg

Lisboa, Setembro de 1976

(...) Pode parecer que estou a misturar indevidamente poesia e vida.

Mas nenhum poeta escreve para fazer uma obra e nenhum poeta escreve para conquistar uma vida imortal, mas sim para conquistar a inteireza e a verdade da sua vida actual. (...) A poesia n√£o inventa outro mundo. Mas procura a verdadeira vida. E por isso Jorge de Sena definiu a poesia como sendo ¬ęa fidelidade integral √† responsabilidade de estar no mundo¬Ľ.

Por isso a sua poesia é uma poesia de resistência não apenas no sentido corrente e directamente político da palavra, mas uma poesia que resiste a tudo quanto deforma ou inverte ou desfigura a vida humana. (...)

Sophia

 

in Correspondência Jorge de Sena e Sophia de Mello Breyner 1959-1978

com organização de Mécia de Sena e Maria Andresen de Sousa Tavares

10
Jul23

N√£o creio que levar o erro mais longe seja uma forma de progresso

tuxpi.com.1664025071.jpg

Lisboa, 18 de Novembro de 1969

Caríssimo Jorge

(...) Tomámos há muitos séculos um caminho errado e não creio que levar o erro mais longe seja uma forma de progresso. A questão está na forma como emtendemos o Evangelho. (...)

Sophia

 

in Correspondência Jorge de Sena e Sophia de Mello Breyner 1959-1978

com organização de Mécia de Sena e Maria Andresen de Sousa Tavares

08
Jul23

Como alguém que reconhece a ruína e constrói à sua roda o palácio

tuxpi.com.1664025071.jpg

Lisboa, 18 de Novembro de 1969

Caríssimo Jorge

(...) Creio que a beleza destes teus versos √© serem uma constru√ß√£o de contradi√ß√Ķes, t√£o complicada e tensa que √© milagre que se equilibre, mas que no entanto toma e retoma o seu fio, e, percorrendo todos os seus labirintos, regressa sempre ao interior de n√£o sei que gruta povoada de resson√Ęncias. √Č uma poesia em cont√≠nuo estado de constru√ß√£o e destrui√ß√£o na vontade de enfrentar tudo e de dizer-te tudo. Uma dic√ß√£o que a si mesma se quer impiedosa, por se querer total.

Mas conjugada com um desejo de grandeza e esplendor. Como alguém que reconhece a ruína e constrói à sua roda o palácio. (...)

Sophia

 

in Correspondência Jorge de Sena e Sophia de Mello Breyner 1959-1978

com organização de Mécia de Sena e Maria Andresen de Sousa Tavares

06
Jul23

Se ainda o faço, é porque não sei fazer outra coisa

tuxpi.com.1664025071.jpg

Madison, 16 de Novembro de 1969

Querida Sophia

(...) Mas o gosto de trabalhar e de publicar, perdi por completo - para quê? Se ainda o faço, é porque não sei fazer outra coisa. (...)

Jorge

in Correspondência Jorge de Sena e Sophia de Mello Breyner 1959-1978

com organização de Mécia de Sena e Maria Andresen de Sousa Tavares

04
Jul23

As pessoas desaparecem, transformam-se em memória

tuxpi.com.1664025071.jpg

938  Rowley Avenue, Madison - Wis. 53705 - USA

9 de Janeiro de 1968

Caríssima Sophia

(...) A impressão que cada vez mais tenho é a de que, de certa altura em diante, na vida, nós começamos a viver como o Rilke dizia que os anjos se sentiam: sem saber se estamos entre vivos ou entre mortos, porque as pessoas desaparecem, transformam-se em memória, e a gente vai ficando numa cada vez mais estranha irrealidade em que a maioria dos vivos não faz parte do nosso mundo que atravessam como espectros secundários, enquanto o espaço vazio se acumula de espectros autênticos que precisamente são os que deixaram de existir. (...)

Jorge

in Correspondência Jorge de Sena e Sophia de Mello Breyner 1959-1978

com organização de Mécia de Sena e Maria Andresen de Sousa Tavares

01
Jul23

Nunca a vi ter medo e se o teve n√£o o mostrou

tuxpi.com.1664025071.jpg

Lisboa, 31 de Dezembro de 1967

Caríssimo Jorge

(...) Gra√ßas a Deus morreu l√ļcida e calma sem grande sofrimento pois o cora√ß√£o falhou antes que a falta de ar se tornasse aflitiva.

Morreu numa esp√©cie de serenidade deslumbrada e depois da extrema-un√ß√£o disse-me ¬ęEstou contente¬Ľ. Mas apesar de tudo creio que ainda tinha uma certa ilus√£o, uma esperan√ßa discreta de viver. Ao contr√°rio do que acontece nesta doen√ßa tinha embelezado extraordinariamente, estava cor de rosa e luminosa, parecia mais nova e liberta do peso e da confus√£o dos anos.

Nunca a vi ter medo e se o teve n√£o o mostrou. Na v√©spera de morrer pediu-me que lhe lesse uns versos meus de que ela sempre tinha gostado, uns versos que est√£o no Dia do Mar, ¬ęH√° jardins invadidos de luar¬Ľ.¬†(...)

Sophia

in Correspondência Jorge de Sena e Sophia de Mello Breyner 1959-1978

com organização de Mécia de Sena e Maria Andresen de Sousa Tavares

29
Jun23

A vida est√° cheia de maravilhas que todos os dias nos roubam

tuxpi.com.1664025071.jpg

Lisboa, Outubro de 1966

Caríssimo Jorge

(...) E quando ser√° poss√≠vel estarmos de novo juntos? N√£o haver√°, neste tempo de tantas viagens, um congresso que nos re√ļna?

O Francisco e eu estamos bem mas sempre afogados de problemas. A vida todos os dias sobe de preços, e as dificuldades multiplicam-se. Mas os nossos filhos crescem, o Verão foi um esplendor e o Outono tem sido um dos mais maravilhosos Outonos que vi na minha vida. O Francisco e eu vagueamos em grandes praias desertas, onde agora graças à ponte, se chega em meia hora. E também estivemos no Algarve, nas praias mitológicas da Ponta de Piedade. E no ano passado, como sabe, além de estarmos em Roma que adorámos, passámos os dois alguns dias maravilhosos em Paris, no Louvre, na Saint Chapelle, em Notre Dame e nos bares pitorescos onde nos levou o António Dacosta. Mas penso com desespero nisto: para as pessoas como você e como nós a vida está cheia de maravilhas que todos os dias nos roubam. (...)

Sophia

in Correspondência Jorge de Sena e Sophia de Mello Breyner 1959-1978

com organização de Mécia de Sena e Maria Andresen de Sousa Tavares

Quanto mais leio menos sei
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos P√°ssaros est√° aqui!
Tudo o que escrevi para Os Desafios da Abelha est√° aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
Notícias literárias ou assim-assim em Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Estante

no fundo da estante