Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

08
Dez22

Devemos ser sempre de todos os lugares que nos acolhem

sena02-2.png

Uma pequena curiosidade: como sente em si a nacionalidade brasileira?

 

E, sobretudo, porque há isto: eu sou um homem visceralmente de exílio, que se sente mal em toda a parte, mas que chegou à conclusão que se sente mal no mundo, embora ache que não há outro. E daí eu ter concluído que devemos ser sempre de todos os lugares que nos acolhem.

 

Excerto da entrevista Diário de Lisboa, 22 de Dezembro de 1968 - Entrevista de Abílio Diniz Silva

in Entrevistas 1958-1978, edição de Mécia de Sena e Jorge Fazenda Lourenço

08
Dez22

Pessoas

(...) eram pessoas que, ao mesmo tempo, falavam muito em responsabilidades e tinham um trabalho imenso, cheio de preocupa√ß√Ķes e de responsabilidades, para n√£o aceitarem nenhuma...

(...) e, se havia coisa de que eles tinham receio, era das pessoas que eles n√£o conheciam, tudo o que n√£o pertencesse ao mundo que achavam prudentemente que era o deles.

in Sinais de Fogo de Jorge de Sena

07
Dez22

Os portugueses nunca se riram dos brasileiros

Os brasileiros, de uma maneira geral, imaginam que os portugueses se riem deles, e os portugueses nunca se riram dos brasileiros como os brasileiros se riem dos portugueses.

Jorge de Sena

Excerto da entrevista Diário de Lisboa, 22 de Dezembro de 1968 - Entrevista de Abílio Diniz Silva

in Entrevistas 1958-1978, edição de Mécia de Sena e Jorge Fazenda Lourenço

06
Dez22

O Brasil é um país tão complicado que acho que todos nós teremos a desculpa de o não entendermos

sena02-2.png

Concluindo: que experiência e que laços contraiu no Brasil?

 

A experiência, acho que foi eu ter ficado brasileiro!... E tê-lo ficado do coração. De cultura, eu já era muito ligado ao Brasil e o Brasil não foi uma inteira descoberta para mim. Durante anos e anos, eu estudei e liguei-me à sua literatura e à sua cultura. De modo que não foi para mim uma novidade. Mas não deixou de ser uma surpresa em numerosos aspectos, porque é sempre diferente o conhecer um país e o viver nele.

O Brasil é um país tão complicado que acho que todos nós teremos a desculpa de o não entendermos quando os próprios brasileiros também o não entendem às vezes.

Por outro lado, a sua própria grandeza faz com que às vezes ele seja melhor entendido por estrangeiros que o amem do que pelos próprios brasileiros, na medida em que estes estão demasiado integrados, por vezes, dentro de um determinado sistema social, dentro de uma determinadam classe, e tomam as fronteiras do seu grupo pelas fronteiras do Brasil.

 

Excerto da entrevista Diário de Lisboa, 22 de Dezembro de 1968 - Entrevista de Abílio Diniz Silva

in Entrevistas 1958-1978, edição de Mécia de Sena e Jorge Fazenda Lourenço

06
Dez22

Tu j√° pensaste que a nossa vontade pode ser a dos outros?

- Tu j√° pensaste que a nossa vontade pode ser a dos outros?

- Dos outros, como? - e logo me arrependi de ter caído no diálogo que senti não querer.

- Às vezes, a gente quer uma vontade dos outros, e outras vezes quer que a vontade dos outros se faça nossa.

- Alguma vez quiseste que a minha vontade fosse a tua?

in Sinais de Fogo de Jorge de Sena

Quanto mais leio menos sei
O autor português de 2021/2022 é Jorge de Sena
Preparem-se para dar a volta ao vosso mundo
A autora portuguesa em destaque de 2019/2020 foi Sophia de Mello Breyner Andresen
Visitem o seu mundo encantado
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos P√°ssaros est√° aqui!
Tudo o que escrevi para Os Desafios da Abelha est√° aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
Notícias literárias ou assim-assim em Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Estante

no fundo da estante