Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

by Miss X

Livrologia

by Miss X

04
Set18

Biblioteca Ambulante: a transportar sonhos

Resultado de imagem para library in wheels illustrationwww.bookmobike.com

 

A vontade de voltar aos livros fazia falta, abri as portas da biblioteca ambulante, inspirei e logo o odor das letras furou as narinas.

Para sentir ainda mais, folheei alguns, notei a ausência de outros, permanecem nas aldeias, nas casas dos visitantes da biblioteca.

O itinerário é o mesmo, as diferenças estão nos campos envolventes, o milho adolescente já roça a idade adulta, as árvores pejadas de frutos os pimentos com a cor vermelha mais pronunciada, a natureza a acontecer.

As viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra, seguem pelos territórios das aldeias do Brunheirinho e Vale das Mós, com a convicção de continuar a levar possibilidades a todos os aldeões.

in Histórias à Beira-Rio

04
Ago18

Babel Book Award , o prémio literário fictício

bba.pngImagem babelbookaward.com

 

O Babel Book Award (BBA), prémio literário fictício de 200 mil euros que fez brilhar os olhos de muitos escritores e editores lusófonos, antes de os pôr a espumar de raiva, era afinal  uma performance para criticar a CPLP e a indústria do livro.

 

O galardão começou a ser falado em fevereiro e estaria já na terceira edição, sendo organizado pela Fundação Weltsprachen (que se percebeu não existir) com curadoria de Andreas A. Fiedler (nome de um jornalista russo, que não sabia de nada). Prometia uns inacreditáveis 200 mil euros ao melhor romance inédito de língua portuguesa, com o vencedor a ser anunciado em julho. O regulamento estava publicado no endereço babelbookaward.com.

 

Quem fez soar os alarmes para a inverosimilhança foi Paulo Werneck, editor da revista literária “Quatro Cinco Um”, de São Paulo. Nessa altura, já vários autores tinham enviado originais através de correio eletrónico, incluindo portugueses.

 

António Salvador sustentou que o BBA, lançado em fevereiro, nunca pretendeu ser um prémio literário clássico, antes uma performance artística, um escárnio às regras que governam a indústria da literatura, uma crítica insolente à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

in Observador