Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livrologia

Livrologia

28
Fev21

O demónio anda a assombrar as minhas leituras

Antigas e Novas Andanças do Demónio - Livro - WO

Comecei a ler os primeiros dois volumes de contos de Jorge de Sena.¬†A edi√ß√£o que estou a ler re√ļne dois livros num s√≥:¬†Andan√ßas do Dem√≥nio¬†(1960) e¬† Novas Andan√ßas do Dem√≥nio (1966).

O demónio está presente em todos eles e se não está, adivinha-se. Nas suas andanças, que podem coincidir com as nossas, nunca sabemos quando vamos encontrá-lo.

Não é difícil reconhecê-lo: não é bom, nem é mau. Aliás, é como qualquer humano e confunde-se com ele na sua desumanidade.

Um dem√≥nio caminha incansavelmente pelo mundo,¬† s√≥ para saber o que est√° a acontecer e para provocar uma alma ou outra. Com as suas andan√ßas vive da inconst√Ęncia e muda de lugar sem l√≥gica ou sentido, s√≥ pelo prazer de uma batalha que n√£o quer ganhar.

Tal como Sena disse sobre estes contos:

Uma das melhores maneiras de soltar o diabo às canelas dos bem-pensantes de todas as cores e feitios é falar nele, com ares de ironia, como se não existisse.

21
Fev21

Sei que Sep√ļlveda sempre ir√° pertencer ao meu imagin√°rio e eu ao dele

502x.jpg

Começámos a ler História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar a dois.

Pausamos constantemente a leitura para falarmos sobre ela. Aliás, tem sido uma leitura muito conversada e já tinha saudades de ler assim.

H√° muito tempo que n√£o lia Sep√ļlveda e n√£o consegui conter o choque quando soube da sua morte √† merc√™ da pandemia, no ano passado. Para mim ele era j√° imortal e mantive-me em nega√ß√£o at√© hoje.

Quando li a dedicatória que o autor escreveu neste livro, a sua mortalidade atingiu-me em cheio:

Aos meus filhos Sebastián, Max e León, os melhores tripulantes dos meus sonhos.

Sei que ele sempre ir√° pertencer ao meu imagin√°rio e eu ao dele. √Č assim a imortalidade na literatura.

13
Fev21

Sempre que começo um novo livro de Mário de Andrade, sinto que estou a ler um autor diferente

Livro_ 'O losango c√°qui' (1 ed_, 1926, brochura.j

A experiência de leitura de Mário de Andrade está a superar as minhas expectativas, porque sempre que começo um novo livro, sinto que estou a ler um autor diferente.

Continua a surpreender-me a cada página com esta sua capacidade quase camaleónica de ser outro, sendo ele próprio.

Depois da leitura d' A escrava que não é Isaura estou agora a ler O Losango Cáqui.

Apesar de ter sido escrito em 1922, só o publicou em 1926 numa versão parcialmente modificada, com apenas 19 dos seus 45 poemas iniciais.

Diz-se que a dist√Ęncia temporal entre a sua escrita e a sua publica√ß√£o acabou por relegar este livro para o esquecimento. Tendo sido escrito em plena experimenta√ß√£o modernista, perdeu o car√°cter experimental quando foi publicado 4 anos depois. No entanto, se nos esquecermos desse hiato, h√° muitos elementos experimentais para admirar:¬†a vida quotidiana, a l√≠ngua coloquial, o ambiente urbano, as analogias livres e o aspecto visual dos poemas.

07
Fev21

O samovar na literatura russa

br.rbth.com

Leiam um qualquer livro da literatura russa do século XIX e será quase garantido encontrarem por entre as suas páginas a palavra samovar.

O samovar é mais do que um objecto  para aquecer água e servir chá, é também um símbolo do bem-estar e do aconchego doméstico.

Todos eles eram diferentes, n√£o s√≥ pelas asas e torneiras, mas tamb√©m pela sua forma. O tamanho mais vendido era o de 3 a 8 litros e o pre√ßo dependia do peso e do material de que era feito.¬†Nos samovares mais antigos utilizava-se qualquer material combust√≠vel - carv√£o, madeira, pinhas -, estas √ļltimas aromatizavam a √°gua.

Quase todas as personagens dos grandes escritores russos do s√©culo XIX se re√ļnem em torno do samovar e √©¬†perante um ch√° fumegante que acontecem os melhores di√°logos e/ou mon√≥logos da literatura russa.¬†

Imagem @ br.rbth.com

31
Jan21

Essa linha ténue, quase proibida, é a que mais gosto de atravessar

unnamed.jpg

 

No estudo da literatura, mais especificamente na análise de qualquer texto literário há uma regra quase inquebrável: separar a persona do autor da persona do texto.

O que significa que tudo o que ele venha a escrever como ficção, que não seja biográfico, não o faz na primeira pessoa, não o representa.

Não podemos assumir, logo à partida, que o autor está a descrever uma vivência pessoal através de uma personagem. Esta separação de personas é muito importante na análise de um texto, para que ela seja o mais técnica e imparcial possível.

Quando se estuda um texto a metodologia deve ser cl√≠nica e n√£o emotiva: observar, detectar os padr√Ķes, as incongru√™ncias,¬† o seu melhor e o seu pior, os detalhes que o demarcam de todos os outros.¬†O lugar da emo√ß√£o √© para antes e para depois, nunca nos entretantos.¬†

Mas a tentação é muita, especialmente com autores que sabemos terem nos seus livros uma grande componente pessoal, mesmo que não o digam abertamente.

Essa linha ténue, quase proibida, é a que mais gosto de atravessar.

22
Jan21

On The Road with Penguin Classics, um podcast imperdível

imageedit_1_4361563440.png

A Penguin Classics vai lançar um podcast On The Road with Penguin Classics para inspirar novos leitores a descobrirem velhos títulos.

O autor e editor Henry Eliot ser√° o anfitri√£o que receber√° a partir de 28 de Janeiro convidados de v√°rias √°reas, que ir√£o comentar e tentar convencer os leitores a lerem um cl√°ssico.

E porquê agora? Porque neste mês comemora-se os 75 anos do nascimento da Penguin Classics que lançou o seu primeiro clássico em 1946, uma tradução d' A Odisseia. Desde então a marca Penguin Classics tem-se tornado na maior biblioteca viva de clássicos publicados em inglês. 

√Č a eles que recorro quando n√£o encontro cl√°ssicos em portugu√™s e √© deles o livro que estou a ler de poesia russa: The Penguin Book of Russian Poetry.

Um podcast imperdível que pode ser subscrito através das plataformas habituais: Apple Podcasts, Acast, Spotify, Google Play ou outras.

10
Jan21

A Abraço não desiste de abraçar quem mais precisa

imageedit_1_7760121479.png

Este instante da minha estante não tem livros, mas tem Abraço.

A Associa√ß√£o Abra√ßo e as Associa√ß√Ķes dos Servi√ßos de Pediatria Hospital da Ilha Terceira (Amigos da Pediatria da Ilha Terceira), do Hospital de Ponta Delgada (Grupo de Amigos da Pediatria do Hospital de Ponta Delgada), e do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca (Fernandinhos & Companhia), juntaram-se e criaram a Agenda Solid√°ria 2021 ‚ÄúQuando eu for grande‚ÄĚ, numa homenagem dos mais pequenos aos¬†profissionais de sa√ļde que continuam a sua incans√°vel luta contra a Covid-19.

As verbas angariadas ser√£o para a aquisi√ß√£o de¬†equipamento de prote√ß√£o individual para os respectivos hospitais e para equipamento m√©dico e de hotelaria, como ber√ßos, cadeir√Ķes, cadeiras e mobili√°rio diverso.

A agenda pode ser adquirida na Loja Abraço e o Emanuel irá responder-vos com a maior das simpatias, ajudando com qualquer questão que tenham.

Eu j√° tenho a minha.

E vocês?

03
Jan21

Foi uma luta renhida, oh! se foi

imageedit_17_7482675126.png

Vi-me obrigada a adiar o ciclo de leitura de Jorge de Sena para este ano de 2021. Os constrangimentos provocados pela pandemia foram muitos e com as bibliotecas e livrarias fechadas foi impossível conseguir ter os seus livros a tempo.

Não contei nada, eu sei, mas durante todo o ano de 2020 andei à procura dos livros de Sena e vi-me envolvida numa aventura inesperada.

Quando a biblioteca reabriu, descobri, para mal dos meus pecados, que não tinham em catálogo quase nenhum livro de Sena. Comecei depois a procurar por livros disponíveis para venda e descobri que muitos deles estavam esgotados e que outros tantos não tinham previsão de reposição.

Salvou-me a Almedina onde consegui encontrar muitos dos livros dele, mas e a poesia?

Indisponível em todo o lado. Apeteceu-me gritar!

Ler Sena e n√£o ler a sua poesia seria como aprender o alfabeto e n√£o conseguir criar uma √ļnica palavra.

Voltei novamente à biblioteca. Procurei incansavelmente por Sena. Encontrei miraculosamente a sua poesia. Aborreci a bibliotecária. Quis tocar nos livros e ela não me deixou. E trouxe os três volumes de poesia debaixo do braço.

Foi uma luta renhida, oh! se foi, mas Sena já está ali na estante, à minha espera.

O autor português de 2021 é Jorge de Sena
Preparem-se para dar a volta ao vosso mundo
A autora portuguesa em destaque de 2019/2020 foi Sophia de Mello Breyner Andresen
Visitem o seu mundo encantado
Tudo o que escrevi para o Desafio de Escrita dos P√°ssaros est√° aqui!
Tudo o que escrevi para Os Desafios da Abelha est√° aqui!
Já começou a viagem pelo mundo da Gata Borralheira.
Cinema e literatura num só.
Venham também!
bookinices_spring.png
A imprensa comentada no final de cada mês na Operação Bookini
Espreitem as bookinices
A autora deste blog n√£o adopta o novo Acordo Ortogr√°fico.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O que leio, capa a capa

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Estante

no fundo da estante